Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Bem haja Nair de Almeida

29 de Fevereiro, 2016
Nair de Almeida colocou na sexta-feira um ponto final à carreira de atleta. Aos 32 anos de idade, a ex-internacional conquistou mais de 50 títulos, entre nacionais e internacionais, numa trajectória prenhe de registos notáveis.

A ex-atleta do Petro de Luanda e do 1º de Agosto, emblemas que a catapultaram para o mais alto pedestal do andebol nacional e internacional, decidiu pendurar as "chuteiras" depois de mais de 20 anos de competição. Foi a camisola da equipa rubro-negra que a "menina" natural do Lobito recebeu a ovação dos seus fãs e dos amantes da modalidade que testemunharam o acto na final da Supertaça Francisco de Almeida.

O pavilhão principal da Cidadela esteve ao rubro, com casa cheia, não só pelo jogo que opunha as arqui-rivais e maiores emblemas do andebol nacional, mas, sobretudo, acreditamos, porque a maior dos aficcionados que lá acorreu queria também prestar o merecido tributo a Nair de Almeida, na hora da despedida.

Numa partida disputadíssima do princípio ao fim, tal foi o apertado resultado no final (22-23), a ex-internacional acabou por fazer uma despedida em grande por conseguir ajudar a sua equipa a conquistar, pela primeira vez, o único troféu que até então faltava na galeria das campeãs nacionais e africanas.

A homenagem que lhe foi prestada, pela direcção do clube que representou nos últimos anos da carreira, apesar de simbólica, acabou ser uma forma de reconhecimento ao contributo e profissionalismo sempre demonstrados pela brilhante jogadora, que faz assim a sua retirada de cabeça erguida, convicta de que cumpriu com o dever.

Com o jogo de sexta-feira, a meia distância do 1º de Agosto fez também, de forma indirecta, a sua despedida da Selecção Nacional, a qual ajudou a erguer muitos dos 11 títulos africanos que o país ostenta.

Nos cerca de 20 anos que dedicou à modalidade, Nair Almeida demonstrou ser uma profissional dedicada ao trabalho, humilde, inteligente e solidária. Mesmo competindo, pôde conciliar a actividade desportiva com à académica, sendo quadro de nível superior com a concretização de uma licenciatura.

Com o pendurar da camisola, Nair de Almeida deixa o andebol de forma activa, como atleta, mas acreditamos que vai continuar a dar o seu contributo à modalidade e ao desporto de uma maneira em geral.

Foi, portanto, uma homenagem merecida a esta atleta que serviu incondicionalmente o país e muitas alegrias deu ao povo angolano. É, indiscutivelmente, um exemplo para a nova geração. Bem haja Nair de Almeida.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »