Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Benfica e a taa

24 de Novembro, 2014
O Benfica de Luanda venceu ontem a XXXIII edição da Taça de Angola em futebol, a primeira no seu palmarés, ao vencer o Petro também de Luanda, na final disputada no estádio 11 de Novembro. Assim, os benfiquistas bem como os petrolíferos integram o quarteto de formações que o próximo ano vão representar o país nas competições africanas de clubes.

O triunfo dos encarnados da capital na Taça serviu para premiar o esforço desta equipa, que no recém-terminado campeonato nacional deu mostras de um exponencial crescimento em todos os aspectos. No percurso até à final com o Petro de Luanda teve de superar grandes obstáculos, que se revelaram bastante difíceis.

Os adeptos, jogadores e dirigentes benfiquistas estão assim bem mais gratificados. Todos suspiraram de alívio quando ontem a equipa conseguiu, a muito custo, vencer por 1-0, já no declinar do período adicional, depois de um empate a zero golos no final dos 90 minutos regulamentares. Foi uma vitória arrancada a ferros, a um Petro nada apático e que tinha apostado também forte no jogo.

Diga-se em abono da verdade, que o Benfica mostrou a “raça” dos vencedores e afirmou a superioridade do seu jogo em campo, mesmo quando em algumas ocasiões a corrente do jogo pareceu mais favorável ao adversário. Ontem, no 11 de Novembro, a vitória era o único resultado esperado pelas duas equipas, que pretendiam salvar a época, depois do insucesso no Girabola, onde viram o Recreativo do Libolo festejar a conquista do seu terceiro título nacional.

O Benfica fez questão de mostrar que não estava ali para ser simpático ou facilitar a empreitado ao Petro. As alterações feitas por Zeca Amaral deram outro ânimo à equipa, de tal forma que passou a ser mais prática nas suas acções ofensivas. O golo marcado por Braga, quase já no fim do jogo, foi escasso para as oportunidades de golo criadas.

Para o Petro de Luanda, a perda da Taça de Angola não é senão consequência de uma temporada negativa. Perdeu o Girabola e ontem não soube alegrar os seus adeptos. O ano de 2014 fica assim marcado como o pior. O ano da desilusão, talvez possamos considerar. De qualquer forma não deve baixar a cabeça. Perdeu agora como pode ganhar amanhã. Aliás, a equipa não esteve mal no jogo. Só o facto de ter levado a disputa até ao prolongamento já explica a sua grandeza competitiva, a sua determinação em campo e mais do que isso o seu espírito ganhador.

O seu estatuto não ficou beliscado. Os registos estão ai e não deixam mentir. O que está escrito na história da Taça de Angola é que o Petro de Luanda tem dez edições conquistadas. Ou seja, é a equipa mais ganhadora, e a derrota de ontem só pode ser entendida como um tropeço no seu percurso glorioso. Ao Benfica os nossos parabéns e ao Petro o nosso obrigado por ter sabido valorizar o espectáculo.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »