Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Boa caminhada

19 de Abril, 2017
O Recreativo do Libolo não teve exibições de encher os olhos, nesta sua participação na primeira fase da Taça da Confederação, mas foi suficiente para chegar à fase de grupos da competição, afinal, o primeiro objectivo do representante angolano na prova.

Em boa verdade e diante de adversários desconhecidos, alguns até com certo peso como foi o caso do campeão malgaxe, o último obstáculo que os libolenses tiveram de transpor, o importante era conseguir resultados que permitisse seguir em frente, e foi isso que os angolanos fizeram. Cada jogo era um jogo, e o trabalho de casa foi bem feito, e deu a segurança necessária para a formação de Calulo encarar os jogos sem receios. Foi, aliás, uma pré-época bem preparada, que ajudou o conjunto a estabilizar-se.

Com a competição interna a registar um certo atraso, em relação às outras paragens do continente, o Libolo socorreu-se de um estágio fora do país para dar jogos aos seus jogadores, e partir mais entrosado para a competição africana, a primeira prova em que esteve engajado. Atingida a fase de grupos, o clube perspectiva as meias-finais e tem toda legitimidade de pensar desta forma, pois, mesmo sem saber os adversários que tenha pela frente, é preciso pensar grande.

Cinco anos depois do Interclube ter chegado a esta fase, em que atingiu as meias-finais, Angola volta a ter uma equipa na fase a doer da Taça da Confederação, uma prova em que já tivemos equipas na final. Se o Recreativo do Libolo atingir o seu objectivo, e chegar até mais longe, o futebol angolano pode beneficiar, dado que pode vir a ter mais duas equipas nas provas, sob a égide da Confederação Africana de Futebol.

Para o Libolo, a continuidade nas Afrotaças vai implicar mais esforços dos seus jogadores, que vão ter um aumento de jogos nas pernas. A equipa fica engajada em três frentes, Girabola Zap e Taça de Angola, para o calendário doméstico, e Taça da Confederação, pelo que a equipa técnica vai ter de equilibrar as coisas, no concerne à sua preparação, além do facto de disputar jogos quase de três em três dias, para acertar o seu calendário no Girabola.

Certo mesmo, é que a sua continuidade na competição africana deu à equipa a segurança necessária, para encarar os desafios domésticos com optimismo e tranquilidade, pelo que não deve espantar se a equipa engrossar a carruagem dos candidatos ao título, com o 1º de Agosto na liderança.

Últimas Opiniões

  • 17 de Agosto, 2017

    Noventa minutos de alto risco

    O Madagáscar é daquelas equipas que não se explicam totalmente pela táctica nem pela técnica.

    Ler mais »

  • 17 de Agosto, 2017

    Citações

    Falámos pouco dele durante a semana passada, mas foi um jogador muito importante.

    Ler mais »

  • 17 de Agosto, 2017

    Limar as arestas

    As angolanas efectuaram um estágio précompetitivo no Brasil durante cerca de duas semanas, disputaram um total de seis
    jogos de controlo, com realce para dois que realizaram com a selecção principal local, que permitiram ao seleccionador nacional tirar as
    devidas ilações de como está o grupo para grande empreitada.

    Ler mais »

  • 16 de Agosto, 2017

    Cartas dos Leitores

    À medida que a equipa cresce, crescem também as capacidades de ultrapassar as divergências

    Ler mais »

  • 16 de Agosto, 2017

    Palancas sem pausa

    Olha-se pelo giro dos ponteiros do relógio e vem a necessidade de procurar tirar maior partido do tempo no desenvolvimento de um trabalho sério e aturado que ajude a equipa a superar debilidades no campo e acertar nos detalhes essenciais

    Ler mais »

Ver todas »