Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Boa prenda de Natal

15 de Dezembro, 2018
Angola posicionou-se no lugar mais alto do pódio, no Campeonato Africano de andebol sénior feminino que a cidade de Brazzaville albergou, e serviu, também, para apurar os representantes do continente ao próximo Mundial da categoria.
Desde já, nada que não fosse esperado, ou não seria o andebol nacional o mais titulado a nível de África, com vitórias em quase todos os escalões e uma hegemonia no continente que perdura há vários anos.
A Selecção Nacional feminina confirma que as políticas gizadas por quem de direito, no sentido de manter o nível de desenvolvimento e crescimento da modalidade, são as mais acertadas.
Daí, que não deva causar qualquer espanto, o facto das nossas Pérolas dificilmente serem batidas em África. O facto de se apostar sempre nos escalões mais baixos, cujas jogadoras crescem ao mesmo tempo que as seniores, fortalece a sua hegemonia, permite que o rejuvenescimento da selecção seja quase imperceptível, porque a equipa mantém a mesma estrutura competitiva e sempre ao mais alto nível.
O andebol feminino, há muito que assumiu ser um dos grandes embaixadores do país, dado a presença regular em Campeonatos do Mundo e em Jogos Olímpicos, mercê do domínio que exerce nas principais provas continentais, tanto ao nível de selecções como de clubes.
Angola foi a Brazzaville como o principal alvo a abater, era normal que assim fosse. O estatuto que ostenta neste momento, a forma como espalha o perfume do seu andebol, são elementos que motivam outras equipas que nos confrontos com as angolanas querem sempre agigantar-se, como foi o caso da selecção finalista vencida, a do Senegal, que em alguns momentos do jogo com Angola, certamente que sonhou com algo mais do que a obtenção do visto para o Mundial, que no caso era a conquista do título.
Porém, sem veleidades, as Pérolas mostraram que mandam em África, com todo o mérito, uma hegemonia que deve perdurar por largos anos, tais, são os investimentos que são feitos.
Angola chegou ao 13º título da sua história, com a certeza de que apenas colhe os frutos das sementes lançadas à terra, no período pós-independência. De geração em geração o andebol feminino manteve a mesma cadência.
A consagração em Brazzaville aparece como o grande presente de Natal, dado pelas nossas Pérolas aos angolanos que continuam a acreditar no seu talento e potencialidade.Obrigado, guerreiras!

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »