Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Bom pr-estgio

21 de Julho, 2017
A crise que assola o país deve levar a que deixemos fluir a nossa imaginação e com ela criarmos formas para contornar essa adversidade que, como já se sabe, adia projectos a todos os níveis da esfera nacional. No desporto, são muitas as situações menos boas vividas pelas nossas equipas. O abalo mais recente foi a não ida da Selecção Nacional masculina de sub-16 ao Campeonato Africano, nas Ilhas Maurícias por alegadas dificuldades financeiras.

O andebol sénior feminino do país é das modalidades mais tituladas, detendo há muitos anos a hegemonia no continente, tanto ao nível de selecções como de clubes. Nesta última categoria , depois dos longos anos dourados do Petro de Luanda que “papava” tudo quando fosse competição por todo o continente (e também em casa, pois claro!), neste momento o 1º de Agosto é o dono da bola.

As militares, com paciência e perseverança após anos de submissão ao seu grande rival foram fazendo o seu trabalho com apostas sérias e investimentos bem calculados, pelo que hoje representam a mais valia do país nas competições internacionais. Com isso tudo, quem sai a ganhar é a Selecção Nacional que já em Dezembro terá mais um nobre compromisso, a participação em mais um Campeonato do Mundo, com palco na Alemanha, onde vai competir ao lado de selecções fortes no mundo, casos da Roménia e da Espanha, apenas para citar estas.

O país não tem recursos para estágios intensivos no estrangeiro, embora a selecção tenha efectuado um período de preparação em terras lusas recentemente, onde, inclusive, chegou a testar com a forte Dinamarca, uma das favoritas ao título no mundial. Contudo, e se atendermos que a nossa competição pode assemelhar-se a um campeonato africano dado o nível de algumas equipas, então temos de convir que a prova nacional que Luanda acolhe neste momento é um bom tónico para as atletas a serem convocadas para o Campeonato do Mundo e que, certamente, já estão na cabeça do seleccionador nacional.

O Campeonato Nacional é, pois, um pré-estágio para as nossas atletas. O 1º de Agosto e o Petro de Luanda acabam por ser a base do “sete” nacional, sendo os principais emblemas do país, até porque já se conjuntura mais uma final entre ambos, e é lógico que venham a dar mais jogadoras à selecção.

De resto, nunca é demais lembrar, Angola tem a sua cotação em cima por via de uma grande participação na última grande competição internacional em que participou com selecções mundiais, os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, além de ser a detentora do título africano, conquistado em Luanda.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »