Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Candidatos ao Girabola

01 de Abril, 2019
A medida punitiva aplicada ao 1º de Agosto, pelo Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol, como decorrência do que se designa inverdade desportiva, no jogo do passado dia 3 de Março, a contar para a 17ª jornada, jogo agendado com o Desportivo da Huíla, acaba por retirar alguma pressão à formação petrolífera, outra candidata ao título, mas que via o fosso pontual em relação ao rival mais acentuado.
Na verdade, se três pontos representam uma grande derrota a quem os perde, também representam uma conquista a quem beneficia. Com a diferença pontual, agora fixada em quatro pontos, e com a vantagem do Petro dispor de dois jogos em atraso, é de se manter a esperança de assistir mais lá para frente, à luta acirrada entre os dois concorrentes.
Afinal, depois da derrota de quarta-feira no Huambo, no jogo com o Recreativo da Caála, as contas pareciam algo atabalhoadas para os tricolores. Com a diferença estabelecida em sete pontos, como estava, mesmo com jogos em atraso, já se estava perante uma situação melindrosa, sobretudo, porque a segunda volta do campeonato tem as suas nuances que se conhece.
Amanhã e na quarta-feira, os dois rivais têm pela frente adversários difíceis, quer um como o outro, não devem dar-se a luxo de conceder facilidades. Aliás, quanto aos militares devem estar em causa a recuperação dos pontos perdidos na secretaria, em relação aos petrolíferos estão em redenção os pontos perdidos na deslocação ao terreno do Recreativo da Caála. O momento não é mais de actos de desperdícios.
Enfim, o Petro precisa é de assumir mais regularidade nos resultados, pois, manifesta-se muito oscilante, situação que o concorrente inteligentemente tira proveito. Vitória ontem, empate hoje e derrota amanhã, não concorrem para uma safra satisfatória a quem se acha numa disputa, com o fim de conquistar o título, pior ainda, quando o outro é certeiro.
Não se pretende dizer que o Petro precisa para alcançar os seus objectivos, de boleias de terceiros, como é o caso do momento. Longe disso. Sabe-se, qual o potencial da equipa. Vimos a recuperação fantástica que encetou na primeira volta, ao ponto de terminar o turno com uma pontuação folgada. E, é capaz de lograr os seus objectivos, sem quaisquer favorecimentos.
O que se pretende, é deixar claro, que com a derrota na Caála, qualquer observador atento estava a ver a disputa pelo título, sem chama, porque um dos rivais imprimia uma alta velocidade para frente, e outro, ia a meio gás, com alguns tropeços de permeio. Este quadro acabava por determinar, jornada menos jornada, um único candidato, limitando-se às outras equipas, à corrida pela segunda posição.


Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »