Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Candidatos ao Girabola

01 de Abril, 2019
A medida punitiva aplicada ao 1º de Agosto, pelo Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol, como decorrência do que se designa inverdade desportiva, no jogo do passado dia 3 de Março, a contar para a 17ª jornada, jogo agendado com o Desportivo da Huíla, acaba por retirar alguma pressão à formação petrolífera, outra candidata ao título, mas que via o fosso pontual em relação ao rival mais acentuado.
Na verdade, se três pontos representam uma grande derrota a quem os perde, também representam uma conquista a quem beneficia. Com a diferença pontual, agora fixada em quatro pontos, e com a vantagem do Petro dispor de dois jogos em atraso, é de se manter a esperança de assistir mais lá para frente, à luta acirrada entre os dois concorrentes.
Afinal, depois da derrota de quarta-feira no Huambo, no jogo com o Recreativo da Caála, as contas pareciam algo atabalhoadas para os tricolores. Com a diferença estabelecida em sete pontos, como estava, mesmo com jogos em atraso, já se estava perante uma situação melindrosa, sobretudo, porque a segunda volta do campeonato tem as suas nuances que se conhece.
Amanhã e na quarta-feira, os dois rivais têm pela frente adversários difíceis, quer um como o outro, não devem dar-se a luxo de conceder facilidades. Aliás, quanto aos militares devem estar em causa a recuperação dos pontos perdidos na secretaria, em relação aos petrolíferos estão em redenção os pontos perdidos na deslocação ao terreno do Recreativo da Caála. O momento não é mais de actos de desperdícios.
Enfim, o Petro precisa é de assumir mais regularidade nos resultados, pois, manifesta-se muito oscilante, situação que o concorrente inteligentemente tira proveito. Vitória ontem, empate hoje e derrota amanhã, não concorrem para uma safra satisfatória a quem se acha numa disputa, com o fim de conquistar o título, pior ainda, quando o outro é certeiro.
Não se pretende dizer que o Petro precisa para alcançar os seus objectivos, de boleias de terceiros, como é o caso do momento. Longe disso. Sabe-se, qual o potencial da equipa. Vimos a recuperação fantástica que encetou na primeira volta, ao ponto de terminar o turno com uma pontuação folgada. E, é capaz de lograr os seus objectivos, sem quaisquer favorecimentos.
O que se pretende, é deixar claro, que com a derrota na Caála, qualquer observador atento estava a ver a disputa pelo título, sem chama, porque um dos rivais imprimia uma alta velocidade para frente, e outro, ia a meio gás, com alguns tropeços de permeio. Este quadro acabava por determinar, jornada menos jornada, um único candidato, limitando-se às outras equipas, à corrida pela segunda posição.


Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »