Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Candidatos do Girabola

03 de Março, 2018
Com a estreia, na passada quarta-feira do 1º de Agosto no campeonato nacional de futebol da primeira divisão, devemos dar por completa a intervenção de equipas participantes na maior competição futebolística nacional. Em outra linguagem dir-se-ia que todas já molharam a sopa. O resto agora é ver como poderão se portar no prosseguimento do torneio.
O campeão nacional foi o último a entrar em competição em função de um conjunto de factores, sendo o fundamental o que está relacionado com o seu envolvimento nas competições africanas, pese embora em igual condição se encontrar igualmente o seu \"arqui-rival\" do \"Eixo-Viario\", que por sinal lidera a classificação geral.
Na verdade, notou-se no arranque da prova um clima de permissividade das equipas, com excepção do Interclube. Pois, com militares e petrolíferos comprometidos com as Afrotaças, esperava-se que fossem as que entraram primeiro em cena, a assumir o comando do torneio. Mas, reservou-se mesmo a liderança para uma destas duas, de tal sorte que o líder hoje é o Petro.
Portanto, ficou, logo à partida, a sensação de como serão as coisas neste campeonato, que há-de ser disputado à velocidade de cruzeiro. Mais uma vez o cenário poderá ser o mesmo das últimas duas edições. Petro e 1º de Agosto podem vir a ditar as regras do certame, sob o olhar impávido dos outros intervenientes. É certo que surpresas não podem ser descuradas.
Aliás, o Interclube começou bem a prova, sendo talvez a única equipa fora do duo Petro de Luanda e 1º de Agosto a quem se deve depositar algum crédito. Claro está que Recreativo do Libolo e Kabuscorp do Palanca vão dando por sua vez também mostras de alguma vitalidade competitiva. Resta, porém, saber até onde vai a sua resistência.
Contrariamente ao que tem vindo a ser costume, nas épocas anteriores, desta vez as equipas condicionadas financeiramente, não fizeram investimentos por aí além. Não se reforçaram à medida das suas ambições, e isto deixa-lhes de certo modo limitadas nas suas acções. Mas esta situação é quase geral, não se coloca apenas a equipas de menor gabarito, mesmo os \"colossos\" também não fizeram grandes aquisições. Mas a questão de fundo aqui está relacionada àquilo que se espera venha a ser luta pela conquista do título. O selecto grupo está identificado, tendo como cabeças de lista Petro e 1º de Agosto. Interclube, Recreativo do Libolo e Kabuscorp são os outros que, por razões óbvias, integram a lista. Mas a forma fácil como os primeiros se desdobram no terreno competitivo dá-lhes logo primazia â partida.
Acompanhemos a evolução do campeonato, e logo-logo saber-se-á até que ponto estamos certos ou errados neste exercício a que nos propomos aqui. As outras equipas não se devem considerar diminuídas, até porque nem elas mesmas alguma vez ousaram anunciar o título como meta competitiva. Que têm as suas metas, lá isto têm, mas muito longe do título.

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »