Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Cartada decisiva

03 de Agosto, 2019
Depois da igualdade a um tento conseguida no reduto do adversário e que abriu boas perspectivas para o apuramento a última eliminatória de acesso a fase final do CHAN, a ser realizada no próximo ano nos Camarões, Angola pode dar, esta noite, um importante passo na sua campanha.
Para já, basta-lhe uma vitória ou, na pior das hipóteses, um empate frente à congénere da e-Swatini, um adversário bem ao seu alcance e que no histórico de jogos entre si a Selecção Nacional assume pleno domínio. Contudo, o fracasso dos Palancas Negras na recém-terminada Taça de África das Nações, organizada pelo Egipto e vencida pela Argélia, resume-se, agora, em contas de outro rosário. Por isso, de momento, o foco do conjunto está precisamente nesta corrida ao CHAN, uma prova reservada apenas a jogadores que actuam nos respectivos países. Se no jogo desta noite, diante da turma do “Sihlangu Semnikati” (Escudo Real, na Língua de Camões), o combinado nacional vencer ou no mínimo empatar sem golos, vê encurtar-se os caminhos que vão dar aos Camarões o próximo ano. É legítimo esperar, que a jogar em casa e diante do seu público, os Palancas Negras têm tudo à sua mercê para ultrapassar este adversário. Mas, para tal, os comandados de José Silvestre “Pelé” e Arsénio Cabungula “Love” têm de ser ousados e, acima de tudo, jogar com vontade de vencer. Um deslize esta noite, é o pior que pode acontecer para Angola. Aliás, a má prestação que a Selecção Nacional teve no Campeonato Africano das Nações (CAN) deste ano Egipto, distanciou-a praticamente dos seus adeptos. Por isso, espera-se que o conjunto alcance, hoje frente à e-Swatini, um bom resultado e, acima de tudo, aliar isso a uma actuação convincente. Angola tem futebol para tal. Contudo, recomenda-se uma grande coesão entre os sectores, não permitir que o adversário tenha espaço de manobra e que, todavia, se lhes feche a linhas de passe. É ponto assente, que os jogadores da e-Swatini entrem para o rectângulo de jogo dispostos a contrariar o favoritismo dos angolanos e vai, daí, não se puder descartar as cautelas defensivas. E tudo porque um golo do conjunto que tem como designação “Sihlangu Semnikati”, pode complicar as contas para os Palancas Negras. É importante, que no duelo desta noite, os angolanos tentem evidenciar a mesma eficácia até agora apresentada nos confrontos com a selecção da e-Swatini, em que somam oito vitórias, três empates e uma única derrota. Uma vitória hoje de Angola reaproximaria a Selecção Nacional aos seus adeptos, ávidos de verem a equipa no trilho das boas exibições. E se fosse por números expressivos, como ocorreu em 2000, na ex-catedral do futebol nacional - o Estádio da Cidadela -, quando Angola bateu a então Swazilândia sem apelo e nem agravo, seria ouro sobre o azul. Foi, precisamente, um triunfo por copiosos 7-1, num duelo selectivo a segunda “mão” das eliminatórias de acesso ao Mundial de 2002, co-organizado pelo Japão e Coreia do Sul, em que os Palancas deixaram mais do que evidente o seu domínio sobre o adversário desta noite. Agora, resta aguardar que a Selecção Nacional transponha esta penúltima eliminatória de acesso ao CHAN, e, caso assim aconteça, na próxima etapa há-de ter como oponente o Botswana ou Zâmbia.

Últimas Opinies

  • 11 de Novembro, 2019

    O sabor da Dipanda

    O 11 de Novembro é uma data que representa um verdadeiro símbolo da identidade dos angolanos e do país, em si, desde que se libertou das amarras do regime colonial. Portanto, há 44 anos, num dia como hoje, o saudoso Presidente Doutor António Agostinho Neto proclamou perante a África e ao Mundo a Independência Nacional.

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Acho que a condecoração vem em boa hora. Devia haver melhor critério, mas não deixo de louvar a atitude do Presidente da República. (...)

    Ler mais »

  • 11 de Novembro, 2019

    Denncias, SIC e PGR

    Certa vez, sem receio de punição, a demonstrar que tinha algum trunfo na manga para provar, o então presidente de direcção do Recreativo do Libolo, Rui Campos, chegou a acusar que os árbitros indicados pelo Conselho Central de Árbitros da Federação Angolana de Futebol manipulavam os jogos e resultados da equipa de Calulu, no sentido de, na altura, impedir a revalidação do título.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Festa da Dipanda e os feitos desportivos

    Angola assinala dentro de sensivelmente dois dias 44 anos desde que se libertou das amarras do regime colonial.

    Ler mais »

  • 09 de Novembro, 2019

    Desporto de unio nos 44 anos da Nao

    Hoje, como não podia deixar de ser, neste espaço escrito “A duas mãos”, acordamos em falarmos da trajectória do nosso desporto, ao longo dos 44 anos de Independência que o País tem.

    Ler mais »

Ver todas »