Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Clssico decisivo

06 de Abril, 2019
Há motivo suficiente para a enorme expectativa em torno do jogo de amanhã, entre as equipas do Petro de Luanda e do 1º de Agosto. Afinal não se trata apenas de mais um clássico dos clássicos do nosso futebol entre as duas equipas mais tituladas. Trata-se sim, de um jogo que já pode deixar um sinal claro de como o campeonato pode vir terminar.
Na verdade, trata-se de um jogo com cunho decisivo. Pois, o Petro, que tem vindo a somar vários tropeços, apesar de ser um declarado candidato ao título, tem forte responsabilidade neste jogo, sob pena de ver as coisas cada vez mais complicadas e o seu concorrente com meio caminho andado para a consagração.
Talvez se possa mesmo considerar o jogo do título. Pois, complicadas como se vão tornando as coisas para a turma do \"Eixo viário\", em caso de um eventual fracasso, será quase jogar a toalha ao tapete. A reaproximação pontual será mais difícil. Mais a mais porque o 1º de Agosto nunca foi de conceder facilidades.
Portanto, não deve o 78º embate entre as equipas ser encarado na mesma perspectiva do 77º. Se no anterior uma derrota petrolífera ou uma vitória militar nada podia representar, sendo que havia pela frente muita estrada a palmilhar, no de amanhã o desfecho terá muito a dizer, sobretudo no caso do resultado favorecer quem já vai folgado.
Os tricolores têm, por isso mesmo, maiores obrigações. E mais: perder o campeonato logo na 23ª jornada pode não só um revelar um super poderio competitivo do campeão nacional, mas também uma acentuada incapacidade dos outros concorrentes, sobretudo de quem sempre se assumiu candidato ao título desde a primeira hora, mas incapaz no terreno.
O 1º de Agosto tem vindo a ser uma equipa com níveis de produtividade fantásticos. Nem mesmo a perda de três pontos na secretaria frenaram-lhe o ímpeto, tal foi a forma determinada como desfeiteou o Recreativo do Libolo, mas já o Petro tem sido bastante perdulário, sem capacidade de tirar proveito dos deslizes do seu rival, em quase todas as circunstancias.
As mudanças efectuadas no corpo técnico certamente tem vindo a prejudicar a equipa. A equipa parece ter algumas dificuldades para se adaptar a filosofia de jogo do novo treinador, apesar de este ter sido adjunto de Beto Bianchi. O Petro talvez esteja apenas a pagar pela decisão algo precipitada da sua direcção. Pensamos que Bianchi devia continuar pelo menos até ao fim da época.
Estamos por saber se sobre quem recairão as culpas na eventualidade de mais um fracasso no campeonato, se sobre Bianchi ou sobre Cosano. Porque sobre a direcção é que não será. Oxalá consiga sair-se bem no clássico de amanhã, para que não se mate à partida a graça do campeonato. Mas o inverso também pode acontecer.


Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »