Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Comear por cima

18 de Outubro, 2017
Os arquitectos recomendam, que a casa seja construída da base até ao topo, e não, em sentido inverso. No entanto, para o nosso futebol em particular, para as duas competições tuteladas pela Federação Angolana de Futebol, é recomendável que se inicie do Girabola, para a Segundona.

Este exercício é suscitado pela pretensão do Presidente da Federação Angolana de Futebol, que quer reformular o modelo de disputa da competição, que dá acesso ao Campeonato Nacional de Futebol, Girabola. Para os adeptos do futebol, o Girabola devia ser a prioridade das prioridades, por diversas razões, sobretudo, por estas:

É uma prova descontextualizada, no actual contexto de dificuldades mil para os clubes, do topo a base, ou dos que disputam os títulos, e dos que lutam apenas para continuar na primeira divisão. É necessário, que se torne a reflectir, em torno do actual modelo. A Federação Angolana de Futebol precisa de ganhar coragem, para entregar a competição aos clubes, que sejam os responsáveis pela prova.

É necessário ainda, abandonar a ideia de que se experimentar a Liga, no dia seguinte acaba o futebol no País. Esse é um pensamento conservador, caduco e que pode arrastar e atrasar as soluções de que de o futebol precisa. Há países, com menos infra-estruturas, com uma economia sem expressão, porém, experimentaram a Liga e seguem o seu futebol, obtêm não poucas vezes resultados melhores dos que as nossas equipas experimentam nas Afrotaças.

Falta coragem. A principal função do Girabola, hoje, não pode ser apenas “factor de unidade nacional”. É uma consequência, e não deve ser mais o objectivo principal, porque movimenta milhões de dólares e emprega milhares de pessoas, que precisam da garantia de que podem viver do futebol.

Isso, exige uma resposta à altura, e não é com paninhos quentes que se colocam, que resultam em exaustivas choradeiras das equipas, do princípio ao fim da prova. É preciso avaliar todos os activos do futebol, colocá-los ao serviço das riquezas dos clubes. Não acreditamos, que os únicos que não conhecem a dimensão do futebol como indústria, sejam os dirigentes do clubes. Quer dizer, que precisamos de gestores, capazes de duplicar as receitas, e manter as portas dos clubes abertas.

Portanto, é boa ideia melhorar os procedimentos de disputa da Segunda Divisão, mas é preciso fazer melhor na principal prova, para que ela deixe de ter a conotação pejorativa referida pelo treinador do Sporting Clube de Portugal, Jorge Jesus.

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »