Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Comeo brilhante

12 de Dezembro, 2015
O Recreativo do Libolo, detentor do título africano, começou com vitória na participação do Campeonato Africano de basquetebol, sénior masculino, que decorre no pavilhão multiusos do Kilamba. Na jornada inaugural, derrotou o Radés da Tunísia, embora com um resultado apertado, mas com uma exibição clara e convincente que leva a acreditar numa boa campanha ao do nível de um verdadeiro campeão.

Na verdade, a passar por algum sufoco, o Libolo teve uma actuação que pode ter despertado a atenção de outras equipas presentes no torneio, sobretudo, aquelas com iguais objectivos. Ou seja, as outras candidatas ao ceptro, podem ter visto uma equipa campeã com a determinação, com a ousadia, com vontade de conquista.

É certo que o Radés mostrou igualmente ser uma equipa que promete luta e com um basquetebol à altura de discutir o título. Dai a razão de as nossas equipas, conotadas à partida como favoritas, estarem na contingência de observar algumas cautelas, devem demarcarem-se da onda de emoções e optimismos. De resto, o torneio promete muita luta e determinação.

É sabido desde já, que o Libolo está na prova com um único propósito: lutar pela revalidação do título, perante a legítima necessidade de manter firme o extenso rosário de glórias. Para tanto, vai ter de impor-se dada a ambição de outras equipas.

Aliás, todas as demais vêm à competição com objectivos definidos. E partindo deste pressuposto, podemos admitir que a prova vai ser disputada palmo a palmo. Ou seja, vai exigir o redobrar de esforços e mais do que isso, a exposição de maturidade competitiva da parte de quem corre atrás do anel brilhante.

Consola-nos saber que os nossos representantes apresentam planteis de valorosos jogadores, detentoras de elevada valia técnica, que no terreno vão certamente expressar a qualidade do basquetebol angolano, reconhecido a nível do continente como o mais refinado das últimas duas últimas décadas.

Claro está que as outras equipas forasteira não vêm em turismo. Também elas têm nos respectivos países desenvolvido forte trabalho, voltado para a excelência. Isto mesmo foi notório no campeonato passado, marcado por um acentuado equilíbrio entre as equipas, tendo a vitória do Libolo sido o reflexo da capacidade combativa e mais do que isso, do seu jogo organizado.

Se os níveis de crescimento obedeceram aos padrões, faz todo o sentido prevermos uma prova mais forte, algo tranquilizante, e as equipas anfitriãs perfilam no leque das que desbobinam o melhor basquetebol, além de registarem nas suas hostes um exponencial crescimento, situação capaz de resultar em algum embaraço para as adversárias.

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »