Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Comeou a festa

10 de Dezembro, 2016
Desportivamente falando, o país ainda vive a euforia do título africano conquistado no campeonato de andebol feminino pelas nossas atletas, que resgatar a honra e a dignidade perdidas há dois anos, quando permitiram que a Tunísia se apoderasse do título continental. Quis o capricho, que na final, fosse a mesma Tunísia a ser o adversário.

Desta vez, porém, as coisas foram escritas com outras palavras, ou contadas em outros termos. As angolanas foram claramente superiores, não precisaram de carregar no acelerador a fundo, para atirarem ao tapete um adversário que também veio para a competição cheio de sonhos e de ambições. Na verdade, a vitória das comandadas de Filipe Cruz não merece nenhuma contestação.

Não é mais do campeonato de andebol que nos propomos abordar, queremos falar de outra competição que promete transformar, nos próximos dias, Angola para capital do desporto continental. Refira-se aos Jogos dos SADC, abertos oficialmente ontem, e que se desenrolam até ao próximo dia 18.

Diferentes países da região vão competir em diferentes modalidades seleccionadas pela organização, espera-se disputas salutares, pelos lugares cimeiros. Seja como for, em competições do género o que mais conta, às vezes, é o intercâmbio competitivo e o espírito de irmandade entre jovens do mesmo espaço geográfico.

É certo que erguer o troféu, infunde sempre alguma altivez. Dai, que os que se julgarem fortes no futebol tudo vão fazer para mostrar o seu potencial, passa-se o mesmo com os que tiverem potencial em outras disciplinas, como basquetebol, andebol, atletismo, por aí em diante. Mas tudo isto, no quadro de um esmerado espírito de fair-play, recomendado em competições do género.

Claro que Angola, na condição de anfitriã, tudo espera fazer para sair-se bem na fotografia, o que passa necessariamente pela conquista de um número considerável de medalhas. Ainda assim, é um desafio, os outros vêm para competir e lograr objectivos estabelecidos pelos respectivos países.

Entretanto, mais do que a competição, Angola espera aproveitar o torneio para mostrar as suas potencialidades turísticas, a sua hospitalidade e o seu nível de desenvolvimento. O objectivo não vai ser apenas o de mostrar o potencial competitivo, também o potencial de país que se esmera no desenvolvimento a nível da região.

Aliás, as sucessivas organizações de eventos desportivos, todas bem sucedidas, são sinais do quão desenvolvido é o nosso país. E, os Jogos da SADC, não hão-de fugir à regra. Espera-se que tudo corra à preceito, e no fim dos jogos, independentemente da ordem do quadro de medalhas, seja positivamente qualificado.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »