Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Contagem regressiva

24 de Julho, 2016
A primazia de apresentação de despedida à delegação, coube ao vice-presidente da República, Manuel Vicente, em representação do Chefe de Estado, que entregou a bandeira do país à andebolista Luísa Kiala, atleta encarregada de transportar o símbolo nacional, na abertura do evento. O vice-presidente entregou também uma bandeira à atleta paralímpica, Esperança Gicasso, que vai ser igualmente porta-bandeira nos Jogos Paralímpicos, competição a seguir aos Jogos Olímpicos.

Ao atribuir ao desporto um papel preponderante, por contribuir muito para as alegrias que o país viveu em diferentes momentos, o vice -presidente da República pediu aos atletas, sacrifício, esforço, determinação e fair - play, de modo a representarem condignamente o país, no magno evento que a cidade do Rio de Janeiro acolhe dentro de 12 dias.

À Selecção Nacional sénior feminina de andebol, Manuel Vicente lembrou o acréscimo das responsabilidades, por não se limitarem apenas às fronteiras nacionais, mas também às continentais.

“Sem pretender minimizar a importância da participação das demais modalidades, caberá fazer menção ao facto de, uma vez mais, as nossas campeãs africanas de andebol terem responsabilidades acrescidas, pois irão representar o país e o continente” afirmou o governante.

Na nona presença em Jogos Olímpicos, depois das presenças em Moscovo (1980), na estreia, Seul (1988), Barcelona (1992 ), Atlanta (1996), Sidney (2000), Atenas (2004), Pequim (2008) e Londres (2012), o vice-presidente espera que os atletas tenham presente de que ao serem portadores da bandeira e representantes do país, estão a dignificar e a enaltecer o nome da República de Angola, em todo o mundo.

A crise económica e financeira que assola o país, há cerca de dois anos, não passou despercebida na comunicação do governante aos membros da missão olímpica angolana, na ocasião, Manuel Vicente chamou a atenção para a necessidade de uma gestão parcimoniosa dos recursos financeiros disponibilizados pelo Estado.

Não obstante a situação, o vice-presidente da República disse que a participação de Angola nestas olimpíadas, nunca foi posta em causa, realçou que o país gosta de honrar os seus compromissos.

Com este acto e com a mensagem motivadora e encorajadora do vice-presidente da República, resta aguardar que os nossos embaixadores entrem em prova, e a fazer jus ao que lhes foi pedido, honrem o nome de Angola. Bem-haja.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »