Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Contornos do futebol

06 de Maio, 2017
O futebol é no universo desportivo, a modalidade de maior paixão, aquela que pelo mundo tem a particularidade de movimentar enchentes para os Estádios, e rios de dinheiro. Entretanto, em Angola, nos últimos anos, a qualidade do futebol e consequentemente dos seus actores está a baixar consideravelmente.

Só para se ter uma ideia, em 1997, Angola era a 50ª melhor selecção do Mundo. Hoje, e se olharmos para a mais recente actualização, notamos que se situa entre as piores nações, abaixo de países como Cabo Verde, Guiné Bissau e de outros, de menor expressão futebolística.Em todo o caso, percebe-se que os tempos sejam outros, e a realidade também. Mas estes números transmitem-nos uma valiosa lição. Sem querer identificar culpados, está claro que a regressão da qualidade do futebol nacional tem a ver, primeiramente, com a falta de objectivos claros.

Também há indícios, de que o foco dos que estão na gestão, é apenas um: participar em competições continentais, sem dar atenção ao trabalho de fomento. Só assim se pode justificar, que em mais de duas décadas, com o país assente em novos alicerces, ou independente se preferir, a Federação Angolana de Futebol tenha trocado de seleccionador mais de 30 vezes. Entretanto, todos estes pormenores foram discutidos e já se identificou o mal, agora, a questão consiste em encontrar soluções para se sair da situação menos boa em que está.

Clubes como, 1º de Agosto e Petro de Luanda, que já produziram grandes talentos, são exemplos a seguir no que se refira às políticas de formação.Falta-nos planos a médio e longo prazos, e homens competentes e capazes de fazer cumprir com rigor os objectivos traçados para o futebol.Mas, com as mudanças operadas, recentemente, na Federação Angolana de Futebol, com a eleição de uma nova direcção, vislumbra-se alguma luz no fundo do túnel. Espera-se algum rigor, e sentido de disciplina, na execução dos planos. É isto, que leva ao desenvolvimento no mundo do desporto, e do futebol em particular.

Na verdade, estão anunciados novos tempos para o futebol nacional . É certo que os novos gestores da modalidade não são milagreiros, será necessário dar algum tempo para que possam mudar as coisas, e mostrar os frutos do trabalho. Assim, vamos acreditar na capacidade empreendedora dos homens. É uma questão de dar tempo ao tempo, para os frutos começarem a cair. Mas uma coisa é certa: ninguém mais, está a fim de continuar a ver o futebol nacional no mesmo estágio. Que venham novos tempos e novos ventos.

Últimas Opinies

  • 18 de Outubro, 2018

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • 18 de Outubro, 2018

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »