Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Contornos do futebol

06 de Maio, 2017
O futebol é no universo desportivo, a modalidade de maior paixão, aquela que pelo mundo tem a particularidade de movimentar enchentes para os Estádios, e rios de dinheiro. Entretanto, em Angola, nos últimos anos, a qualidade do futebol e consequentemente dos seus actores está a baixar consideravelmente.

Só para se ter uma ideia, em 1997, Angola era a 50ª melhor selecção do Mundo. Hoje, e se olharmos para a mais recente actualização, notamos que se situa entre as piores nações, abaixo de países como Cabo Verde, Guiné Bissau e de outros, de menor expressão futebolística.Em todo o caso, percebe-se que os tempos sejam outros, e a realidade também. Mas estes números transmitem-nos uma valiosa lição. Sem querer identificar culpados, está claro que a regressão da qualidade do futebol nacional tem a ver, primeiramente, com a falta de objectivos claros.

Também há indícios, de que o foco dos que estão na gestão, é apenas um: participar em competições continentais, sem dar atenção ao trabalho de fomento. Só assim se pode justificar, que em mais de duas décadas, com o país assente em novos alicerces, ou independente se preferir, a Federação Angolana de Futebol tenha trocado de seleccionador mais de 30 vezes. Entretanto, todos estes pormenores foram discutidos e já se identificou o mal, agora, a questão consiste em encontrar soluções para se sair da situação menos boa em que está.

Clubes como, 1º de Agosto e Petro de Luanda, que já produziram grandes talentos, são exemplos a seguir no que se refira às políticas de formação.Falta-nos planos a médio e longo prazos, e homens competentes e capazes de fazer cumprir com rigor os objectivos traçados para o futebol.Mas, com as mudanças operadas, recentemente, na Federação Angolana de Futebol, com a eleição de uma nova direcção, vislumbra-se alguma luz no fundo do túnel. Espera-se algum rigor, e sentido de disciplina, na execução dos planos. É isto, que leva ao desenvolvimento no mundo do desporto, e do futebol em particular.

Na verdade, estão anunciados novos tempos para o futebol nacional . É certo que os novos gestores da modalidade não são milagreiros, será necessário dar algum tempo para que possam mudar as coisas, e mostrar os frutos do trabalho. Assim, vamos acreditar na capacidade empreendedora dos homens. É uma questão de dar tempo ao tempo, para os frutos começarem a cair. Mas uma coisa é certa: ninguém mais, está a fim de continuar a ver o futebol nacional no mesmo estágio. Que venham novos tempos e novos ventos.

Últimas Opinies

  • Hoje

    O direito televisivo e o interesse pblico

    Os angolanos, em particular os que gostam e acompanham o basquetebol, não puderam ver na sexta-feira o clássico do basquetebol nacional, porque a empresa detentora dos direitos televisivos decidiu não transmitir o jogo.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Até a presente data o COA já formou, aproximadamente, mil dirigentes desportivos e vamos continuar a trabalhar em vários eixos, porque é nosso objectivo expandir geograficamente estas acções formativas. A cada problema vividos nas vossas agremiações desportivas procurem encontrar as soluções nos manuais a disposição.

    Ler mais »

  • Hoje

    Episdios desagradveis

    Nos últimos tempos, o futebol, o desporto-rei, tem sido acossado com episódios desagradáveis e que geraram alguma confusão e violência à mistura, não fossem as situações daí resultantes, como a que ocorreu na data que se previa realizar o jogo da final da Taça de Libertadores, entre o Boca Juniors e o River Plate, ambos da Argentina.

    Ler mais »

  • Hoje

    O exemplo que nos faz falta (I)

    Nunca algo desportivamente tão precioso agora havia passado tão volatilmente pela opinião pública e deixado, a mim, um rastro de interrogações óbvias, mas que normalmente seria merecedor de alguma manifestação sóbria pós-vitoriosa. 

    Ler mais »

  • 08 de Dezembro, 2018

    Passada do campeo e a situao da Cala

    Numa altura em que faz ainda eco no Continente, a retirada, pelo órgão reitor do futebol, a organização do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019 aos Camarões, por cá o nosso Girabola segue o seu curso normal, ainda que num ritmo pouco intenso.

    Ler mais »

Ver todas »