Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Corrida ao CHAN

27 de Julho, 2019
Depois da campanha fracassada na recém-terminada Taça de África das Nações, que o Egipto acolheu e que a Argélia fez a festa do título, após superar na final a similar do Senegal, o futebol angolano volta estar em mais uma frente continental neste fim-de-semana. Desta vez a empreitada é referente a corrida ao CHAN/2020, com palco nos Camarões. O país entra em cena não com a Selecção de Honras, mas com a de Sub-23.
Para já, Angola cruza nesta penúltima eliminatória de acesso à prova reservada apenas a jogadores que evoluem nos campeonatos dos respectivos países com a selecção da eSwantini (ex-Reino da Swazilândia) em Mbabane, no reduto desta.
Porém, depois do ensaio feito no país terça-feira última diante do 1º de Agosto, em que empatou a um golo no Estádio França Ndalu, a Selecção Olímpica embarcou um dia depois para África do Sul, onde esteve a limar as últimas arestas para o jogo da primeira mão desta eliminatória, que acontece amanhã em Mbabane, capital da antiga Swazilândia.
Em terras sul-africanas, o grupo às ordens de Silvestre Pelé ficou completo com a integração dos jogadores do Petro de Luanda, que realizaram estágio da pré-época nesse país da região austral do continente.
O seleccionador nacional assumiu de peito aberto, antes do embarque para a pátria de Nelson Mandela, que o teste realizado frente ao campeão nacional visou, sobretudo, tirar ilações das reais performances do grupo e formar uma equipa, que defenda os interesses nacionais nesta competição africana. Angola já foi vice-campeã desta cimeira de futebol reservada a atletas que evoluem nos campeonatos dos respectivos país e por isso recomenda-se uma postura ousada amanhã, domingo, frente a selecção da eSwatini.
José Silvestre Pelé trabalha no sentido ter uma equipa, que não fuja muito daquilo que são as características da Selecção Nacional “AA”. Tratando-se de uma eliminatória, o combinado nacional deve procurar, acima de tudo, conquistar um bom resultado no reduto do adversário, para que no jogo da segunda-mão, em Luanda, consolide o objectivo de estar na próxima etapa, para daí tentar, mais uma vez, inscrever o seu nome numa montra do CHAN, depois de também marcar presença na edição realizada em 2018 no Marrocos.
É, enfim, uma missão que não se afigura fácil, sobretudo pelo desconhecimento que se tem do adversário, mas ainda assim não impossível.
Por isso, é importante que Angola alcance um resultado positivo em Mbabane, que passa obviamente pela vitória. Porém, se acontecer um empate, também não se afigura tão mau de todo, porque depois o combinado nacional tem o jogo de resposta em Luanda para procurar resolver a eliminatória a seu favor.
É de salientar que o vencedor deste duelo, que opõe Angola à congénere da eSwatini, defronta na última eliminatória de acesso ao CHAN de 2020, nos Camarões, o Botswana ou a Zâmbia, que cruzam entre si também nesta etapa. Até lá resta aguardar pelo que vier a acontecer...


Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »