Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Crise em Libolo

12 de Março, 2018
Ao longo da última década juntou-se ao leque dos emblemas desportivos mais expressivos do país, o Recreativo do Libolo, que não é uma novel agremiação, personificou o ressurgimento de uma colectividade que existiu no tempo da outra senhora, tendo apenas, e por razões que nos são alheias, suspenso a sua actividade.
O ressurgimento acabou, em boa verdade, por ser uma tremenda alegria para as gentes da província do Cuanza - Sul, particularmente dos naturais do município do Libolo, Calulo, que se disputam os jogos da equipa principal de futebol. O basquetebol, \"refugiou-se\" em Luanda, o que é aceite e pacífico.
Com uma eficiente política de gestão administrativa, o ressurgido Recreativo do Libolo muito cedo logrou conquistar um espaço privilegiado na praça desportiva. Os êxitos competitivos sucediam-se nas duas modalidades em que se movimentava a agremiação. O futebol impôs-se no Girabola e o basquetebol fez a sua parte na competição.
Ao êxito interno, seguiu-se o êxito na praça internacional, no panorama africano particularmente. Pois, quer o futebol quer o basquetebol conseguiu níveis competitivos fabulosos nas prova continentais. Pode dizer-se que com o Recreativo do Libolo saudável, o desporto angolano em si saiu também a ganhar.
Entretanto, por razões de alguma estratégia que não se explica em poucas linhas, ocorreu em meados do ano passado uma divisão no seio do clube, ficou o Recreativo do Libolo, sob nova liderança, apenas com o futebol, o basquetebol foi adoptado por um novo emblema, que tomou a designação de Sport Libolo e Benfica.
Esta divisão parece que não foi benéfica para a colectividade do Cuanza-Sul, por aquilo que constatamos no dia-a-dia. A equipa de basquetebol quase que se desmembrou. Boa parte das principais unidades deixou a equipa, falou-se inclusive de dívidas colossais para com alguns. A equipa de futebol, temível outrora, é agraciada com volumosas goleadas como aconteceu na quarta jornada.
Logo, começa a desenhar-se evidências do fim de um império desportivo que conseguiu em tão pouco espaço de tempo, construir a sua reputação. O pior, ainda não ocorreu. A salvação da erosão do castelo é a nosso ver possível. Oxalá, pessoas vinculadas aos dois emblemas da vila de Calulo encontrem uma saída airosa para a crise e possamos ver o Libolo desportivo na máxima força, seja por via do Recreativo, seja por via do Benfica.

Últimas Opinies

  • 09 de Dezembro, 2019

    Ruben chegou, viu e permaneceu

    O técnico argentino Rúben Garcia é o técncio estrangeiro que mais tempo esteve no  Girabola.. Desembarcou em 1982 para estar ao serviço do  1º de Maio de Benguela, para, depois,  orientar a  Académica do Lobito, FC.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Do amor ideologia, devoo ao dinheiro

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Prova influenciou a media desportiva

    O “Girabola”, pode-se agora afirmar, influenciou sobremaneira a formação da Redacção Desportiva da RNA. Aquele mencionado quinteto de radialistas havia-se tornado insuficiente para a demanda, sobretudo a partida dos dois últimos.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Notas da Histria do nosso futebol

    A história oficial do futebol angolano teria de  começar pelas décadas de 1920-30-40, porém, vamos aqui cingir-nos ao tempo de Angola já independente. E não se iria festejar a independência sem se jogar à bola; seria incaracterístico de um povo amante do futebol.

    Ler mais »

  • 09 de Dezembro, 2019

    Arbitragem de poca em poca

    A história do Campeonato Angolano de Futebol, Girabola, como também é conhecido, é repleta de factos curiosos em termos de arbitragem. O campeonato é considerado por muitos especialistas do futebol, como um dos mais disputado do nosso Continente, o que é diferente de ser o melhor.

    Ler mais »

Ver todas »