Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Critérios na arbitragem

11 de Outubro, 2017
Hélder Martins já foi, para muitos, o melhor árbitro de futebol nacional. Ganhou, aliás, várias distinções dentre as quais o “Prémio Rádio-5 para o melhor árbitro”, de entre outras. A seguir, o seu trabalho mergulhou numa onda de contestação de equipas do Girabola, assim como da media, ao ponto do mesmo ter anunciado um ponto final na carreira.

Não sem antes se assistir a uma polémica, quando o Conselho Central de Árbitros o despromoveu, surgiu a dizer que já tinha anunciado a sua retirada. O certo, é que acabou por não ser despromovido para o escalão inferior do Girabola, como até está a ressurgir nas competições africanas.

No último fim-de-semana, Hélder Martins apitou (e bem quanto a nós) o nada fácil jogo Costa do Marfim - Mali. Um árbitro que merece a confiança da FIFA, e da Confederação Africana de Futebol, não pode ser despromovido nem ver a sua imagem no saco do lixo, salvo, se houver provas de uma conduta de todo reprovável, o que podia suscitar não apenas uma medida ou sanção disciplinar, como também uma possível acção penal.

Não há, para além das recorrentes suspeitas, as quais a Procuradoria-Geral da República nunca lhe deu valor algum, tão pouco um esboço de qualquer iniciativa no sentido de solicitar uma investigação, pelo que não se pode manter o árbitro num canto como se fosse um comum. Podem outros dizer, que tem padrinho na cozinha, razão pela qual está sempre na elite africana.

Todavia, qualquer adepto atento sabe, que uma coisa é ter um padrinho na cozinha, outra é justificar em campo a sua capacidade. E, isso, ele está a fazer, como demonstrou no fim semana, razão pelo que se apela à avaliação da sua capacidade, assim como o estatuto que este merece.

Para se conquistar um estatuto neste mundo, é preciso estar nos grandes jogos ou clássicos, o que não acontece, sobretudo, em jogos decisivos. Em sentido contrário, Pedro dos Santos está a fazer bons jogos no Girabola, mas no continente não tem as oportunidades de Hélder Martins, situação que levanta muitas questões. O que determina a escolha de árbitros para os jogos internacionais? A prestação nacional ou há já alguns cativos, seja qual for a prestação interna.

Como Pedro dos Santos, há outros, internamente, que não têm essa visibilidade. O único, que faz excepção no meio de todos os demais, é o assistente Gerson Emiliano. Esse, tanto cá como lá, tem merecido as devidas oportunidades. Por que não têm os outros, beneficiado da mesma sorte?

Últimas Opiniões

  • 16 de Dezembro, 2017

    Palancas, pastor e o pasto

    Finalmente, a Federação Angolana de Futebol (FAF) levantou o véu e deu a cara ao anunciar e apresentar, em conferência de imprensa.

    Ler mais »

  • 16 de Dezembro, 2017

    Cartas dos Leitores

    O nosso propósito é que a selecção esteja mais cedo, no palco da competição. Pensamos cumprir antes um estágio, na província da Huíla.

    Ler mais »

  • 16 de Dezembro, 2017

    Operação CHAN

    A Selecção Nacional de futebol começa a partir de hoje em Luanda, a preparar-se para a presença no Campeonato Africana das Nações, que se destina a jogadores internos (CHAN).

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2017

    Posição no Mundial ofusca brilho das Pérolas

    Apesar do fracasso das nossas Pérolas, creio que não há motivos para se fazer muito alarido, e muito menos, criticá-las severamente, pois, temos de reconhecer que se tratou de um Mundial da modalidade, onde só participam as melhores selecções.

    Ler mais »

  • 14 de Dezembro, 2017

    Gala da FAF envolta em polémica

    A Gala Palancas Negras, cujo objectivo é distinguir todos os anos.

    Ler mais »

Ver todas »