Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Dana dos treinadores

17 de Novembro, 2013
“Sei qual foi o passado, sei qual é o meu presente, mas desconheço o meu futuro.” Estas palavras pertencem a Bernardino Pedroto, quando, em entrevista ao JD, confirmou a sua saída do comando técnico do Interclube. A vida de treinador não é fácil. O chavão é comum, mas basta olhar para aquilo que é a realidade mundial, para perceber que a frase continua a encaixar.

Um treinador está quase sempre a trabalhar na corda bamba. Quando um treinador, em Angola, não ganha, sai. Sai e voltamos a reconstruir, a mudar o modelo de jogo e o modelo comunicacional.

Falando mais concretamente da nossa realidade e tendo em conta os rumores que correm, das 13 equipas que permaneceram na elite do futebol nacional, apenas em quatro estão confirmados os seus treinadores. Antrakik, no Kabuscorp, Daúto Faquirá, no 1º de Agosto, António Caldas, no Sagrada Esperança, e Mário Soares, no Desportivo da Huíla. Nas restantes reina a incógnita. Não falta quem passe muitas noites sem dormir.

Em equipa que ganha não se mexe. É o que normalmente acontece. Normalmente, porque nem sempre é assim. Edouard Antranik, treinador do primeiro título do clube liderado por Bento Kangamba, já está a definir o que pretende o novo campeão, tendo em conta os projectos assumidos pelo seu patrono, a nível nacional e internacional.

No Petro de Luanda, José Dinis, mau grado ter salvado a temporada com a conquista da Taça de Angola, vê a sua permanência a ainda não ser um dado adquirido. Fala-se muito na contratação do brasileiro Joel Santana, que esteve muito recentemente no nosso país.

A saída de David Dias do Progresso é um facto mais do que consumado. Aliás, antes mesmo do Girabola terminar, o presidente dos sambilas, Paixão Júnior, já tinha dado um cartão vermelho ao técnico. Diz-se que o seu futuro passa pelo Bravos do Maquis, que pode ver Zeca Amaral regressar a uma casa que bem conhece: o Benfica de Luanda.

O possível substituto de David Dias, no Progresso, pode ser Romeu Filemon, actualmente vinculado aos encarnados da capital, ou o jugoslavo Makisimovik, que no início da temporada 2012 dirigiu o Petro de Luanda.

Os clubes angolanos devem procurar apostar na continuidade de treinadores e jogadores e não se contentarem apenas com o sucesso nacional. Procurar a estabilidade necessária para a construção de uma base forte para a Liga dos Campeões como algo real. Porque almejar a Liga dos Campeões e concretizar o desejo é garantia de que haverá, hipoteticamente, sucesso interno.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »