Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Dar a mo palmatria

02 de Dezembro, 2013
Pedro Neto voltou a ser, uma vez mais, coerente na abordagem em relação aos Palancas Negras. O presidente da FAF fez mea culpa e assumiu que, de facto, a Selecção Nacional teve um desempenho para esquecer no ano que está a cumprir o seu último mês. Contrariamente à maior parte das vezes em que preferiu adoptar um discurso contrário a realidade dos factos, o presidente da federação reconheceu, durante a assembleia-geral ordinária da FAF, que a sua instituição teve uma actuação menos positiva, influenciada por aquilo que foram os resultados desportivos da Selecção Nacional.

“Temos de ter a coragem de reconhecer que, no período em análise, tivemos um exercício menos positivo e, portanto, menos feliz do ponto de vista desportivo, o que em certa medida influenciou o desempenho geral da instituição”, disse durante o discurso de abertura. Com este reconhecimento público, Pedro Neto comportou-se como um líder que não dá a cara apenas no momento de colher os louros, mas também naqueles em que é preciso coragem para assumir os fracassos. Não sendo ele o único que tem interesse na Selecção Nacional e sendo a esmagadora maioria dos angolanos apoiantes incondicionais da Selecção Nacional, era importante haver a convergência de pontos de vista naquilo que é a realidade dos factos.

Embora, na verdade, a declatação do presidente da FAF não tenha trazido nada de novo, pois era convicção da maioria dos angolanos de que o desempenho dos Palancas Negras andava muito longe do esperado, o mesmo valeu, sobretudo, pela frontalidade e coragem em admitir o “fracasso” no conclave que reuniu a família do futebol nacional.

Ficar na primeira fase do CAN’2013 quando o objectivo era chegar aos quartos-de-final, falhar o apuramento para o CHAN e o Mundial do Brasil, e fazer uma renovação sem uma estratégia definida não podia merecer de Pedro Neto se não a qualificação de “fracasso” do ponto de vista desportivo.
Mas foi bom ouvir também, no discurso de Pedro Neto, que a FAF já trabalha para inverter o quadro e imprimir uma nova dinâmica ao futebol nacional. Ou seja, não basta reconhecer as falhas, é preciso apontar caminhos para se sair do estado em que se encontra actualmente a modalidade.

“Perante a realidade dos factos, tem sido preocupação da direcção da FAF imprimir uma dinâmica de trabalho que permita alterar gradual, mas substancialmente, este estado de coisas”, disse. Para o efeito, prometeu “operacionalizar mais os órgãos de direcção, os da instituição, com inclusão das áreas técnicas, na perspectiva de melhor gerir as competições internas e as actividades das selecções nacionais nos diversos escalões.”

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »