Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

De novo a FIFA

04 de Agosto, 2018
A vida não está fácil para o Kabuscorp do Palanca e a sua direcção, que voltam a estar sob o radar da FIFA, por causa de incumprimentos contratuais com antigos funcionários, desta feita estando envolvido o treinador sérvio Zoran Maki.
Os incumprimentos do clube nas questões que se referem a contratos com jogadores e treinadores, já levou a FIFA a tomar medidas, como a perda de pontos no presente Girabola, o que desde logo fez com que o clube revisse os seus objectivos, para a temporada que caminha para o seu final.
De candidato inicial ao título, a agremiação do Palanca viu-se forçada a lutar por um dos lugares do meio da tabela, dado os pontos que lhe foram retirados, por força dos processos em que está envolvida no litígio com o brasileiro Rivaldo e com o clube TP Mazembe do Congo Democrático.
Contratempos difíceis de contornar, embora o presidente do clube, Bento Kangamba, tivesse tido que os pontos retirados ao seu conjunto iriam ser repostos, porque a estrutura que dirige já tinha solucionados os pendentes, que levaram o organismo internacional a tomar medidas. Até porque não é de modo algum fácil, desviar-se de um objectivo previamente estabelecido no arranque da temporada.
Estas situações acabam por ser pouco abonatórias para o clube, que começou a ganhar fama de mau pagador, e que por arrasto também comprometia a própria imagem do futebol nacional. Este nosso futebol que, por altura do \"boom\" económico, foi para alguns expatriados uma espécie de \"el dourado\", dado os dinheiros que movimentava.
O Kabuscorp corre o risco de sentir, de novo, a mão pesada da FIFA, se os atrasos no pagamento que deve ao técnico Maki perdurarem, até porque, e tal como noticiamos na nossa edição da última quinta-feira, em primeira mão, já foram notificados de que vai ser alvo de um processo disciplinar por desrespeito a uma deliberação tomada no dia 10 de Novembro de 2017, pelo Comité do Estatuto do Jogador.
O clube já sentiu o peso da mão pesada da FIFA, pelo que a sua resposta à deliberação do órgão que rege o futebol mundial, deve ser feita sem evasivas, até porque a sua sobrevivência, como clube da primeira divisão em Angola, pode, no futuro, ficar em causa.

Últimas Opinies

  • Hoje

    Principal objectivo est a ser cumprido

    Apesar da derrota diante da Mauritânia, na passada terça feira, em minha modesta opinião, a Seleção Nacional de Honras, Palancas Negras, está no bom  caminho, em função do nosso histórico nos últimos oito anos.

    Ler mais »

  • Hoje

    Citaes

    Agradeço a Angola Telecom a oferta de 650 mil UTT de saldo, que me permite comunicar.

    Ler mais »

  • Hoje

    Tudo complicado

    A derrota averbada pela Selecção Nacional de futebol, na terça-feira, em Nouakchott, convida-nos a um exercício matemático sobre as possibilidades que restam para a qualificação ao Campeonato Africano das Nações de 2019, nos Camarões. Dizer que a qualificação passa, por ora, a ser uma miragem, pode infundir algum pessimismo exacerbado. Mas, aferir que ela ficou um pouco comprometida, não seria nenhuma mentira.

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Pelo desporto adaptado!

    Nda kukuete cimue ñe watungila ondjo? As manhãs de 1 de Janeiro foram as mais divertidas de sempre e de rica memória para mim. Cançonetes bem harmoniosas, executadas por gentes que não fazíamos ideias de onde vinham, acordavam-nos e davam-nos a boa disposição para começar o ano. 

    Ler mais »

  • 15 de Outubro, 2018

    Herv Renard basta!

    O País nunca engoliu a saída abrupta do treinador francês Hervê Renard, por falta de pagamento dos seus salários. Para os dirigentes do futebol nacional, deixar um treinador ou jogador com dois ou três meses de salário é normal.

    Ler mais »

Ver todas »