Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

De olhos nos \"quartos\"

09 de Julho, 2017
O Recreativo do Libolo, sobrevivente angolano nas Afrotaças (competições sob a égide da CAF), tem hoje uma soberana oportunidade de atingir o seu primeiro objectivo na Taça da Confederação, quando defrontar no seu reduto, em Calulo, a equipa do Smouha do Egipto, em jogo referente à última jornada da fase de grupos da competição africana.

Com a decisão da FIFA de punir as equipas do Sudão das competições internacionais, em virtude de ingerência política, o embaixador angolano vê mais facilitada a tarefa de chegar à fase seguinte da prova, precisando agora de apenas um empate para lograr a pretensão e começar a sonhar com voos mais altos.

O Smouha do Egipto é o adversário de hoje e parece estar bem ao alcance dos angolanos não obstante tratar-se de uma equipa de um país com tradição no futebol africano e que é quase um papão das competições africanas. É que os egípcios são os últimos do grupo e embora tenham hipóteses de chegar também aos quartos-de-final terão de justificar que são melhores que os angolanos em casa destes, uma tarefa que se afigura espinhosa.

Apesar disso, é importante que o Libolo encare o jogo com o mesmo grau de dificuldade que teve nos demais, até porque na primeira mão o Smouha não deixou os seus créditos em mãos alheias, vencendo por 2-0, o que desde já abre hipóteses para haver acertos de contas em Calulo.

Assim, o jogo desta tarde em Calulo é uma empreitada que vai obrigar da equipa angolana muita concentração acima de tudo, em virtude de ver de algum modo facilitado o percurso para os quartos-de-final. Que não se pense que por precisar apenas de um ponto, o jogo será um conto de fadas e que a vitória é uma certeza antes dos 90 minutos.

Pelo contrário, os pupilos de Vaz Pinto têm de demonstrar estofo competitivo para evitarem dissabores, mais a mais por jogarem casa e diante do seu público, que de certeza vão lotar o estádio de Calulo para dar motivação à equipa e apoiá-la nos bons e maus momentos.

Ciente disto, o Recreativo do Libolo deve fazer um jogo calculista, procurando resolver se possível ainda o jogo nos primeiros 45 minutos, de modo a não entrar pressionado para a segunda parte, onde em caso de um resultado desfavorável, o adversário tudo vai fazer para inverter o quadro e pressionar os anfitriões.

Depois da derrota no jogo passado, diante do Al Hilal, então líder do grupo, o embaixador angolano pretende evitar novo desaire, que a acontecer deitaria por terra as aspirações de chegar à próxima fase da competição. Sendo assim, só a vitória interessa e jogadores, equipa técnica e direcção estão compenetrados desta obrigação. De resto, que venha a equipa egípcia e o Libolo saiba demonstrar que se preparou à altura para esta empreitada. Boa sorte!

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »