Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Deciso no Dundo

18 de Maio, 2016
O Sagrada Esperança está a 90 minutos da fase de grupos da Taça da Confederação. O sobrevivente angolano nas Afrotaças, após a eliminação prematura do Recreativo do Libolo nas eliminatórias da Liga dos Campeões, tem hoje uma importante cartada em casa, para decidir a entrada no "grupo restrito" dos prováveis vencedores da prova, ou na pior das hipóteses, colocar um ponto final na sua participação.

Apesar da desvantagem de 2-0 que traz do jogo da primeira mão, na Tanzânia, a equipa lunda pode tirar do caminho os tanzanianos do Young Africans e confirmar o visto para a fase de grupos da Taça Nelson Mandela.

Para uma equipa que já passou por três eliminatórias e tem a oportunidade de decidir a continuidade em casa diante da sua massa associativa, nada à partida pode estar perdido. A empreitada é difícil, mas não é impossível, e marcar três golos não é algo de outro mundo no futebol.

Basta que os lundas que nesta altura representam o país, façam o que fizeram noutras eliminatória, ou seja, acreditem sempre até ao apito final do árbitro. Desta vez, as coisas podem ser mais difíceis em virtude do calibre do adversário, que é francamente superior aos que defrontou até antes desta última eliminatória.

O Young Africans da Tanzânia vem da Liga dos Campeões. É uma das equipas que caiu na última eliminatória da principal prova da CAF e por isso, disputa a vaga para a fase de grupos da Taça da Confederação. Ou seja, por não conseguir a entrada na fase de grupos da liga milionária, procura minimizar os efeitos da frustração do intento com entrada na Taça Nelson Mandela.

Com 25 títulos já conquistados no seu campeonato, a equipa tanzaniana espelha um currículo de longe superior ao nosso representante. Mas como se diz, a história e os números não jogam, embora tenham peso.

Por aquilo que já fizeram até ao momento, estamos em crer que com algum esforço, atenção, crença e apoio que têm recebido, os angolanos podem atingir a fase de grupos e alcançarem o primeiro grande objectivo: estar entre as oito equipas que vão bater-se pelo título da competição.

Com o jogo da decisão em casa, à equipa angolana recai uma grande responsabilidade e isso, em muitas ocasiões, acaba por ser um obstáculo para os jogadores, pois têm de vencer a ansiedade e o nervosismo, já que entram imbuídos do espírito de não defraudarem os adeptos.

Uma vitória por número superior a dois golos é quanto se espera dos lundas. Se durante os 90 minutos não for possível, então na pior das hipóteses que empatem a eliminatória para forçarem as grandes penalidades e aí ver-se o que acontece.

O país futebolístico une-se em torno do seu representante e logo mais no Estádio do Dundo, os adeptos vão estar em representação dos angolanos de Cabinda ao Cunene. Nesta altura, resta-nos dizer, boa sorte Sagrada.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »