Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Descompasso no Girabola

03 de Julho, 2017
Verifica-se, em função dos múltiplos compromissos das equipas, um certo descompasso no campeonato nacional de futebol da primeira divisão.
Ou seja, há um conjunto de adiamentos que não permitem que as coisas em termos de números classificativos estejam arrumadas de forma ordeira. Nesta altura, por exemplo, o 1º de Agosto vai isolado na liderança, mas se pode dizer à condição.

Pois, o seu mais directo concorrente, o Petro de Luanda, viu o seu jogo da jornada adiado por força dos regulamentos. Logo, significa que caso tivesse jogado, provavelmente, não estaríamos perante o actual quadro classificativo. Podia se dar o caso, ou do Petro estar em vantagem ou o 1º de Agosto, mas já não à condição, e deste modo gerir a sua liderança de forma mais harmoniosa.

Mas, trata-se de uma situação até certo ponto compreensível. Pois algumas equipas optaram por não efectuar os respectivos jogos por razões justificadas. No caso, por exemplo, do Recreativo do Libolo e do seu adversário não havia como, sendo que o representante da província do Cuanza Sul esteve envolvido nas competições sob a égide da Confederação Africana de Futebol.

Das equipas da linha de frente, depois do 1º de Agosto, apenas o Kabuscorp do Palanca entrou em campo, mas que não ousou aproveitar a oportunidade de se encostar ao líder ao consentir empate diante do Bravos do Maquis. Pois em caso de vitória os pupilos de Romeu Filemon estariam agora com 37 pontos, ex-aequo com o Petro de Luanda.

Na verdade, este descompasso, apesar de não ser propositado, como já o dissemos, tem também os seus prós e contras. No essencial acaba sempre por beneficiar aquele que vem a jogar depois, perante a vantagem que tem de o fazer em função do resultado ou da classificação de quem já fechou o seu calendário.

Por ai se pode dizer que o 1º de Agosto pode não ter razões para esfregar as mãos de contente, porque quando o Petro e o Recreativo do Libolo vierem a efectuar os respectivos jogos fa-lo-ão com as matemáticas suficientemente acertadas, do jeito de que preciso somar X pontos para atingir os meus objectivos e dai se esmerar para esta empreitada, o que é diferente quando as equipas vão para a quadra em simultâneo.

Bom seria que pelo menos ao nível das equipas que estão na luta pelo título os jogos não tivessem muitos intervalos. Afinal estamos na segunda volta da prova, que é decisiva. Logo, deve se evitar o descompasso desnecessário na competição. Por exemplo, a Selecção Nacional depois de ter sido eliminada da Taça Cosafa, já regressou ao país. Daí que não se percebe muito bem a razão do adiamento, a excepção do Libolo Progresso da Lunda Sul, de outros jogos.

Quando o regulamento exige a disputa dos jogos em simultâneo nas duas últimas jornadas da prova, é na previsão de evitar que umas equipas joguem em função dos resultados de outras. A atenção não deve ser apenas para a ponta final da prova, nas outras jornadas, sobretudo na segunda volta, deve se observar igualmente um pouco de rigor.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »