Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Desencontro de calendrios

30 de Setembro, 2017
Em regra, a ponta final do torneio podia ser disputada sem quaisquer interregnos, de modos que fosse salvaguardados os ritmos competitivos das equipas. Pois, o famoso \"anda pára, pára anda\", não ajuda muito no esquema táctico, por isso, as equipas técnicas revelam-se amiúde, contra paragens sistemáticas do campeonato.
Mesmo o público, em particular os adeptos de equipas com objectivos em jogo, não são a favor de um campeonato que volta e meio é interrompido, sobretudo, quando se encontra numa fase de definição de posições classificativas. Mas pelos vistos, estas últimas jornadas acabam sempre por ser disputadas a conta - gotas, pois, com a Taça de Angola de permeio, não há como.
Entre os dias 6 e 7 de Outubro, por exemplo, jogam-se os quartos-de-final da prova, força mais uma vez à paragem no Girabola. Ainda assim, não há condições para que depois disso, o Girabola Zap dispute as quatro derradeiras jornadas sem pausa, porque há aí as meias-finais, que apenas a final joga-se depois do desfecho do campeonato.
Ora, estamos perante uma situação, que em vez de ajudar as equipas, prejudicá-as. Pois, há- as que já não estão na Taça de Angola, são obrigadas à paragem, porque o adversário da jornada está na outra competição. Não fosse assim, talvez a prova prosseguisse, deixava de fora as equipas que ainda estejam na taça. Mas o quadro obriga a paragem de tudo, é legítimo.
Aqui, voltamos a insistir na política de um melhor ajustamento do calendário, das duas competições. Ou, o Girabola Zap começa mais cedo, ou a taça, a única forma de evitar o desfecho, quase simultâneo, das duas competições. As últimas jornadas, não podem coincidir, com as últimas eliminatórias da taça. É prejudicial para as equipas concorrentes.
Por exemplo, nesta altura, temos a feliz coincidência das duas equipas que disputam o título do campeonato, Petro de Luanda e 1 de Agosto, também estarem na taça, podia dar-se o caso, de estar apenas uma delas, e se assim fosse, ficava beneficiada a que estivesse em competição, e prejudicava a outra, que joga semana sim, semana não. Urge rever o quadro.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »