Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Desistncia do CDH

06 de Junho, 2019
O futebol nacional volta a confrontar-se com mais uma contrariedade, com o recente anúncio, por parte da direcção do Clube Desportivo da Huíla (CDH), da desistência da sua equipa de futebol das Afrotaças, depois da brilhante época que fez quer no Girabola Zap, quer na Taça de Angola. E mau grado para o desporto-rei, que na semana finda viu evocar os rumores de que a Selecção Nacional de honras está sem ver verbas para competir no Campeonato Africano das Nações (CAN), que arranca este mês no Egipto.
E, se em relação aos Palancas Negras as coisas parecem estar mais ou menos amenizados para a grande montra do futebol continental, pois ao que se ventila pelos quatro cantos a Federação Angolana de Futebol (FAF) já terá recebido o bónus de mais 250 mil dólares pela presença no Egipto-2019, o Desportivo vê as coisas mais difíceis por não dispor de recursos para os Afrotaças.
Os militares da Frente Sul, que deveriam representar o país na Taça da Confederação confrontam-se com dificuldades por alguns dos seus patrocinadores retirarem os apoios, de acordo com o director-geral da agremiação, Carlos Manuel. O responsável do emblema huilano revela que os valores para às disputa das Afrotaças são elevadíssimos, razão pela não faz sentido a equipa se fazer representar na Taça da Confederação e depois não ter recursos para as provas internas.
Foi por essa razão, segundo ainda Carlos Manuel, que a direcção do clube recorreu as vias legais para informar a FAF dado que existia um prazo estipulado para a entrega da documentação a este órgão. O director-geral do Desportivo evoca, ainda, as consequências que advêm com a desistência, após a brilhante época que a turma huilana fez na época 2018/2019 no Campeonato Nacional da I Divisão, em que conquistou um honroso terceiro lugar.
Além disso, a situação despoletada cria, obviamente, algum desânimo e desconforto nas hostes da agremiação, sobretudo aos jogadores, membros da equipa técnica e adeptos, que depois do brilharete na época ansiavam ser brindados com a segunda participação da equipa nas provas sob a égide da Confederação Africana de Futebol (CAF).
Agora face a este quadro que se pinta com o anúncio da desistência do Desportivo da Huíla, abre-se a prorrogativa de o Interclube e até mesmo o Kabuscorp do Palanca, que foi desqualificado administrativamente para a II Divisão devido ao diferendo com ex-internacional brasileiro Rivaldo Ferreira, virem a representar o país na Taça da Confederação. Os palanquinos quedaram-se na quarta posição do Girabola Zap 2018/2019 com 49 pontos, enquanto os polícias na quinta com 44.
Além da competição que dá acesso ao troféu “Nelson Mandela”, Angola marca presença ainda na Liga dos Campeões Africanos com as equipas do 1º de Agosto e do Petro de Luanda, respectivamente, campeão e vice-campeão da última edição da maior prova do futebol nacional. Agora com a desistência do Desportivo, resta aguardar quem serão os dois representantes do país na segunda maior prova futebolística do continente. Bem haja e que venham, então, as Afrotaças...

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »