Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinião

Despique no Girabola

13 de Setembro, 2017
O Girabola continua a dominar as atenções da praça futebolística nacional, sobretudo agora, que começa a chegar aos últimos contornos. A 24ª jornada, deixa-nos a seis do cair do pano, e se olharmos para o gráfico classificativo das equipas, depreende-se que nem tudo é um mar de rosas. Para o título, particularmente, augura-se uma batalha campal pela frente.

No topo, da tabela classificativa, a luta é titânica. Claro, que depois da vitória de domingo, do clássico dos clássicos, o 1º de Agosto vai de vento em popa com uma pontuação mais sólida, mas enfrenta a forte perseguição do Petro de Luanda, que em resultado da derrota consentida, ficou a dois pontos do líder.

Entretanto, na luta para o título estão outros gurus, que acreditam na superação de pontos, que dão vantagens às equipa do \"Rio -Seco\" e do \"Eixo -Viário\". O Kabuscorp do Palanca é das equipas, cujo presidente de direcção, que ainda acalentam esperanças, apesar das coisas estarem matematicamente complicadas. Contudo, se ele ainda se assume candidato ao título, não somos nós a contrariá-lo.

Em síntese, a prova está interessante, e poucos estão em condições de traçar um prognóstico certo, de como pode terminar, sobretudo, no que se refire à questão do título, quer o 1º de Agosto quer o Petro de Luanda (estes dois principalmente) reúnem condições para terminarem em primeiro lugar. E, não temos a menor dúvida, que o objectivo de ambos, seja este.

É a luta pelos objectivos, que está em jogo. As equipas , através das respectivas direcções, fizeram promessas no início da prova, e esmeram-se para honrar a palavra. Todavia, no caso do 1º de Agosto não se trata de nenhuma promessa, mas de uma obrigação. Pois, enquanto campeão em título, não se lhe pode exigir outra coisa. A sua massa de adeptos, por exemplo, não espera outra coisa que não seja a revalidação, deve por isso calçar as luvas, para tingir tal desiderato.

Para algumas equipas, as coisas não correm a contento, anima-lhes o facto da prova ter algumas jornadas para jogar, e daí, recuperar e sair para a conquista de posições classificativamente mais cómodas. O quadro das coisas, no fundo da tabela, começa a definir-se. Equipas, que de jornada em jornada, não mostram sinal de vitalidade competitiva, e das incómodas posições em que se acham não saem.

Enfim, o quadro está feio, na cauda da classificação. Equipas como, Santa Rita de Cássia, JGM do Huambo e Progresso da Lunda - Sul vão ter de batalhar muito para evitarem o pior. Até aqui, não ousaram mostrar de realce, e a continuarem assim, talvez nenhum milagre os possa salvar da despromoção. A prova está interessante, vamos acompanhar os últimos capítulos...

Últimas Opiniões

  • 22 de Fevereiro, 2018

    Que Girabola teremos em 2018?

    0 40º campeonato nacional de futebol da primeira divisão, que agenda para o fim-de-semana a 3ª jornada, vai ser disputado em velocidade como nunca aconteceu, desde a sua fundação em 1979.

    Ler mais »

  • 22 de Fevereiro, 2018

    Tragédia do Uíge continua sem culpados

    A edição do Girabola/2018 caminha de forma segura. Já foram disputadas duas jornadas e embora haja alguns jogos em atraso, a prova trilha o  curso normal.

    Ler mais »

  • 22 de Fevereiro, 2018

    Citações

    Fizemos um bom jogo, com uma primeira parte muito forte, em que marcamos três golos.

    Ler mais »

  • 19 de Fevereiro, 2018

    Girabola: o mito (real) em desconstrução (total)?

    Começo o artigo de hoje, por previamente desejar a FAF, a ZAP e a todos clubes integrantes do Girabola, recém -iniciado,  um “melhor” Girabola de “sempre”, porque pedir um “bom” Girabola de “sempre” nesta fase, é o mesmo que pedir ao Diabo que ensine o pai -nosso ao vigário!

    Ler mais »

  • 19 de Fevereiro, 2018

    MINJUD assume papel de catalizador do Girabola

    Face a anunciada crise crónica dos petro-dólares e o seu impacto na vida social do país, o futebol  não escapa à triste e dramática realidade; crise cíclica que já vai no seu quarto ano, desde o choque petrolífero de Novembro de 2014 .

    Ler mais »

Ver todas »