Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Desporto no Huambo

26 de Setembro, 2019
Disputou-se no fim-de-semana, na cidade do Huambo, a I edição da Taça Cuima, em atletismo. A prova atingiu níveis de organização e de competitividade que deixaram entusiasmada a governadora Joana Lina, e na sequência disso, prometeu, para os próximos tempos, mais investimento na modalidade e no desportivo em geral, a nível da província que dirige. Na verdade, trata-se de uma notícia que soa bem, aos ouvidos de todo amante do desporto, peca, apenas, por tardia. O Huambo pode ser entendido como a província do país em que a vida desportiva sofreu um grande retrocesso nos últimos tempos, se comparado ao que já foi no passado e ao que é hoje, a este nível. Falando apenas do atletismo, num passado não muito distante, a província foi de uma forte tradição, pariu corredores que marcaram uma época no atletismo nacional. O Huambo neste quesito rivalizava só com a Huíla, outra província com forte potencial e com condições climáticas que se equiparam. Muitos devem estar lembrados do nome de Pedro Luciano, fundista que em corridas como a São Silvestre desafiava lebres etíopes e quenianos. Isso, foi numa época em que se investia no sector desportivo, sem olhar a meios. Uma época que se pode considerar, sem qualquer exagero, de ouro no nosso desporto. Enfim, Huambo foi sempre depois de Luanda, o maior centro de massificação desportiva, depois vinham as outras províncias como Benguela, Huíla, Cabinda, Uíge e outras, ainda da grelha geográfica do país. Estamos a falar de um período que antecedeu à independência nacional e de outro que se seguiu. Entretanto, com o curso do tempo as coisas foram sofrendo alguma inversão até desvirtuar. Futebolisticamente, falar do Huambo, é falar dos Palancas, do Recreativo da Caála, do Ferroviário, do Petro e do lendário Mambrôa. Com relação a outros desportos, a conversa pode levar-nos à lembrança, as "seis horas de Nova Lisboa", em automobilismo, isso, faz-nos recuar mais no tempo. Hoje, o Huambo é uma espécie de “parente pobre” no desporto nacional. Oxalá, a visão da governadora provincial seja para levar à sério, deve ser visto todo o mosaico desportivo local. É certo, que a condição económica e financeira que vive o país, pode sobrepor-se à intenção. Todavia, com políticas bem traçadas pode ser possível guindar o desporto da província num outro patamar.

Últimas Opinies

  • 07 de Abril, 2021

    Ida ao Mundial marcou o futebol

    Em 2018, a nossa selecção de futebol adaptado trouxe-nos o primeiro troféu de cariz Mundial, ao vencer o campeonato do Mundo.

    Ler mais »

  • 07 de Abril, 2021

    Ganhos que podem ir ao ralo

    A circulação de pessoas e bens, apesar das dificuldades das estradas, faz-se com segurança.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um toque ao desenvolvimento

    O país comemorou ontem mais um ano de paz. Foi a 4 de Abril de 2002 que a Nação angolana presenciou a cerimónia que marcou o fim de um período de guerra que deixou inúmeras cicatrizes.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Os ganhos da nossa vaidade

    Ao assinalarmos 19 anos, desde que o país começou a desfrutar do alívio que só a paz proporciona, não há como não reconhecer os ganhos havidos no sector desportivo neste lapso de tempo.

    Ler mais »

  • 05 de Abril, 2021

    Um retrocesso em alguns casos

    O desporto foi o grande embaixador do país, algumas modalidades assumiram-se como verdadeiros porta-estandartes, dado os feitos protagonizados por algumas selecções nacionais.

    Ler mais »

Ver todas »