Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Despromoo por perto

20 de Junho, 2014
O Recreativo do Libolo é quem comanda a prova. Ao fim de quinze jornadas soma 39 pontos, mais dez que o segundo e terceiro classificados (30). O 1º de Agosto, fruto das cinco vitórias consecutivas, é o quarto com 25 pontos, menos 14 que a equipa de Calulo.

Antes do pontapé de saída da maior prova futebolística do país, as dezasseis equipas traçaram os seus objectivos; as suas metas. Contudo, se algumas ainda estão dentro daquilo que perspectivaram no início, outras estão muito aquém do esperado.

Há outras ainda que superaram as expectativas e terminaram a primeira volta numa posição que ninguém esperava. É o caso do Benfica de Luanda, que a temporada passada esteve próximo da despromoção e hoje está bem instalado na segunda posição.

No inverso temos o Kabuscorp, campeão em título, que dos 45 pontos possíveis esbanjou 15, com três empates e igual número de derrotas. Sabendo de antemão que a equipa do Palanca tinha e tem como meta a revalidação do título, pelo número de pontos perdidos nas primeiras quinze jornadas, dificilmente vai levar a água ao seu moinho.

Nada está ainda perdido. Isto quer dizer que as 16 equipas podem recuperar o terreno perdido no primeiro turno da prova e assim atingirem os seus objectivos. Porém, também é verdade que algumas delas dificilmente vão ter este privilégio em função dos pontos que já perderam.

A luta na cauda adivinha-se bastante acirrada. Benfica do Lubango (nove), 1º de Maio (oito) e União Sport do Uíge (sete) são as que, neste momento, estão em pior situação. Contudo, o Recreativo da Caála (14), Interclube (16) e Desportivo da Huíla (17) não podem ficar desprevenidos, porque a situação de ambas não é cómoda.

A situação torna-se ainda mais grave para o 1º de Maio e o União Sport do Uíge, por serem os únicos representantes das suas províncias na fina flor do futebol nacional. A equipa de Benguela é useira e vezeira neste tipo de situações. Todos os anos a equipa luta para não descer de divisão.

O sindroma da despromoção está de mãos dadas com a equipa da Rua Domingos do Ó, e não há meios dos seus dirigentes dizerem basta. Encontrarem o melhor caminho para a equipa sair desta situação ridícula. É demais.

Há ainda 15 jornadas em disputa. O mesmo que 45 pontos. Significa dizer que não há ainda campeão muito menos equipas despromovidas. Contudo, a equipa que ficar distraída correrá o risco de ficar pelo caminho. Nem as ajudas que, normalmente, acontecem na segunda volta, lhes vão valer.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »