Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Devolvam o baskete s mos de quem sabe

04 de Novembro, 2019
A coerência é absoluta nisso: se não é capaz de fazer bem e melhor, deixa para os outros. E, assim fez o demissionário presidente da Federação Angolana de Basquetebol, Maneda. Toda gente que sofria com cocktail de fracassos dessa gestão, sem dúvidas rejubila. Sim, festeja, porque apesar de todas as dificuldades que o país atravessa, e em consequência o desporto, nada justifica o estado organizativo a que chegou o basquetebol nacional. Nada justifica assistir os patrocinadores a irem embora, porque a outra parte, não respeita nem faz cumprir os acordos. A última prestação de Angola, no Mundial, justificava dupla demissão: do presidente e do seleccionador nacional. Acresce-se ao facto, do presidente ainda se colocar a discutir com atletas, na praça pública, por conta de críticas que estes fizeram ao presidente e à organização. Ao que chegou o basquetebol! Portanto, o basquetebol, uma modalidade que nos habituou a ser espelho de organização, bateu no fundo. Tão no fundo, que vai precisar de um período de transição, durante o qual as exigências para os títulos continentais podiam estar congeladas. O campeonato nacional não arrancou na data prevista, por falta de entendimento com os árbitros. Então, um homem de negócios, ao que se diz bem sucedido e foi esta a razão da sua ida à Federação Angolana de Basquetebol, não é capaz de prever os custos com os árbitros e antecipadamente? Não é capaz de encontrar um patrocinador que arranje dez ou quinze milhões para os prémios dos árbitros? Não é capaz de negociar uma comparticipação dos clubes, nas despesas e com a devida antecedência? E, ainda devíamos ficar calados e assistir serenamente este vergonhoso estado a que chegou o basquetebol ? Muitas pessoas verteram o suor para o basquetebol atingir a dimensão, que hoje ostenta. De modo nenhum, se deve admitir que alguém chegue e destrua isso, por incapacidade de fazer melhor. Há muitos para continuar o trabalho. Basta! Maneda! Fez um favor ao basquetebol e em particular a quem já enfrenta problemas de hipertensão. Seria bom, no entanto, que esta experiência servisse de lição a quem tem a responsabilidade de votar. Coloquem lá, Tony Sofrimento ou Jean Jacques. Estes senhores conhecem o basquetebol como poucos. São conhecidos no mundo do basquetebol. Podem não ter dinheiro, mas têm ideias e sabem como se construiu a hegemonia do basquetebol. Aliás, participaram nela. Ou melhor, Jean Jacques é um dos principais arquitectos dessa hegemonia. Assim, como Tony Sofrimento acompanhou, ora como treinador - adjunto, ora como secretário -geral. Qual é a dificuldades senhores que votam? Não inventem mais. Estão a destruir o basquetebol. Não procurem por quem tem dinheiro. A solução está aí mesmo. Levem Jean Jacques ou Tony Sofrimento à Federação Angolana de Basquetebol. Se forem os dois, então, melhor. Não inventem senhores. O basquetebol precisa mais de ideias do que de milhões. A prova está aí. Somos onze vezes campeões, mais pelas ideias do que pelo dinheiro, não havia. Não invoque contexto. São as ideias e nada mais. Teixeira Cândido

Últimas Opinies

  • 20 de Janeiro, 2020

    Deixem a Marximina regressar

    Olhei para o tempo que já passou desde a suspensão da árbitra Marximina Bernardo, acabou penalizada pela Federação Angolana de Futebol (FAF), sobretudo porque, em minha opinião, este órgão hesita em não condescender exagerada decisão que então tomou, quando para “homens do apito” as punições quase que sabem a flores.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    O orçamento não varia muito dos anos anteriores. Podemos dizer que é ligeiramente superior a dois milhões de dólares por ano. Este é o valor que temos consagrado para o Sagrada Esperança.

    Ler mais »

  • 20 de Janeiro, 2020

    Regatas para Tquio

    Marcado por aceso despique, o Campeonato Africano de Vela nas classes 420 e 470, realizado de 13 a 18 do corrente mês na Contra-Costa da Ilha do Cabo, em Luanda, confirmou mais uma qualificação de Angola à maior montra desportiva do globo.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Welwitschias voltam a dar o ar da sua graa

    Depois da “travessia do deserto” por que passou nos últimos tempos, obrigando a ficar inactiva, a Selecção Nacional de Futebol feminina pode testemunhar um novo ciclo no ano que dá ainda os seus primeiros passos.

    Ler mais »

  • 18 de Janeiro, 2020

    Futebol feminino busca resgate da mstica

    Já houve tempos que o futebol feminino era de facto uma festa cá entre nós, pois inflamava paixões e, de facto arrastava multidões.

    Ler mais »

Ver todas »