Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Discurso do novo PR

28 de Setembro, 2017
O Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, fez na última terça-feira, em Luanda, na cerimónia de investidura ao cargo de mais alto magistrado da nação, um discurso de Estado, com referência a todos os aspectos da vida política, económica e social do país.
Exaustivo, o novo Chefe de Estado perspectivou o país de norte a sul e do mar ao leste, ou seja, tocou em cada um dos sectores da vida da nação e que estão ligados aos mais puros anseios de todos e de cada um dos angolanos. João Lourenço sabe dos vários desafios que se lhe esperam nos próximos cinco anos.
Como disse na ocasião o juiz conselheiro presidente do Tribunal Constitucional, Rui Ferreira, a tarefa de João Lourenço “não será fácil”, pois “o momento e o contexto são difíceis; os desafios que tem são muitos”. Reconhecendo-lhe “a determinação, a disciplina, a lealdade a valores, a fidelidade a princípios, o pragmatismo, a coragem e o valor que dá a palavra dada”, Rui Ferreira pediu ao novo Presidente da República que cumpra as promessas que fez durante a campanha eleitoral.
Mas já antes João Lourenço tinha chancelado de que o seu consulado será pautado pelo compromisso de executar as promessas feitas durante a campanha, tendo como pressupostos desta execução a Constituição e as leis.
“Assumo desde já o compromisso de executar as minhas promessas eleitorais, com políticas públicas que vão ao encontro dos anseios dos cidadãos e com uma governação inclusiva, que apele à participação de todos os angolanos, independentemente do seu local de nascimento, sexo, língua materna, religião, condição económica ou posição social”, disse. Por aqui se pode inferir que em relação ao desporto, o Executivo de João Lourenço vai tudo fazer para não deixar cair em letra morta as promessas que visam revitalizar esta realidade social com dignidade constitucional. O Chefe de Estado afirmou no seu primeiro discurso que o desporto vai assumir, no seu consulado, “uma dimensão inspiradora e formativa”.
“O desporto deve também assumir uma dimensão inspiradora e formativa, de modo a permitir construir uma Angola fraterna, mais inclusiva e em que as barreiras do preconceito e da intolerância vão sendo derrubadas. Reconhecemos que as nossas e os nossos desportistas têm sabido honrar, além-fronteiras, o Hino e a Bandeira nacionais, unindo ainda mais o povo angolano.”, começou por dizer.
Olhando para a forma como pensa sustentar as conquistas até aqui alcançadas e projectar novos ganhos para manter o orgulho da nação e dos seus filhos, o Presidente da República focou a atenção para a necessidade do incentivo ao desporto escolar e numa maior responsabilidade na conservação e gestão das infra-estruturas.
“Neste mandato, vamos incentivar o desporto escolar, regressar aos campeonatos escolares e aos campeonatos universitários e exigir aos dirigente das infra-estruturas desportivas maior responsabilidade na sua conservação e gestão” afirmou.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »