Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Disputa acirrada

16 de Maio, 2019
Não foi ainda desta que o Petro de Luanda se sagrou campeão nacional de basquetebol. O tricolor vem encontrando dificuldades, para destituir do trono o 1º de Agosto, com quem voltou a perder ontem, no quinto jogo do play off a melhor de sete jogos, depois de já ter averbado derrota na passada segunda-feira. Agora o resultado está fixado em 3-2, safra que renova a esperança de o campeão ainda poder revalidar o título.
Na verdade, o Petro, apesar da complacência nos dois últimos desafios, surpreende pela positiva neste play off, pois, em função daquilo que foi a sua exibição na fase regular e noutras provas fora do campeonato, em que sofreu sempre diante do seu \"arqui-rival\", não se esperava que viesse a entrar para a final com aquele poderio e determinação que anularam, pelo menos nos primeiros três jogos, por completo um 1º de Agosto que até então só vinha a dar gosto.
As duas primeiras derrotas, no seu próprio reduto, deixaram explicito que alguma coisa não ia bem para o campeão nacional, e que na peleja a dois encontraria enorme dificuldade para suplantar o adversário, que, mais do que ferido no orgulho, demonstrava uma forte vontade de vencer, com os seus activos quase todos a revelar uma actuação fora do comum, como se estivessem a correr atrás de um objectivo que não lhes pode escapar.
É certo que em termos de valores individuais, não se pode dizer que o Petro esteja melhor servido em relação ao 1º de Agosto. Sensato é dizer, que existe uma correlação de forças. Mas em termos de motivação entre uma e outra equipa, parecia, no começo, haver um acentuado desnível, que não estamos nós em condições de explicar. O bom é que a equipa às ordens de Paulo Macedo, veio depois resgatar o seu poderio avassalador.
No jogo de ontem, o Petro pareceu ter relaxado, o que pode ser consequência da estafa de jogos sucessivos. E, como no aproveitar está o ganho, o 1º de Agosto soube tirar partido deste factor, obtendo a segunda vitória, que volta a adiar a festa petrolífera e surge a reanimar o grupo, que passa a acreditar que afinal nada ainda está perdido, como quem diz, enquanto há vida, há esperança.
De resto, vimos ontem um 1º de Agosto batalhador durante o jogo todo, bastando para o efeito olharmos para a evolução dos números no placar de marcação, bastante equilibrados. As incidências do jogo de ontem deixaram “petro no branco”, que a luta pelo caneco será acirrada entre as duas equipas. Pois, tudo está em aberto, quer para uma, quer para a outra formação.
Sexta-feira, os contendores voltam à quadra, naquele que poderá ser o jogo do \"tudo ou nada\" para as equipas. Pois, ao desejo do Petro não voltar a adiar o título, sobrepor-se-á o desejo do 1º de Agosto chegar à igualdade, para depois ver o que poderá acontecer no jogo decisivo. Está a ser uma final com todos ingredientes dignos deste nome. Vamos aguardar para ver o que virá mais pela frente.

Últimas Opinies

  • 17 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Aproveitamos para encorajar os atletas, à equipa técnica e endereçámos uma palavra directa ao treinador e à Federação.

    Ler mais »

  • 17 de Fevereiro, 2020

    A prata de casa

    Circularam informações nos ‘midias’ e particularmente no nosso jornal, na semana finda, dando conta do possível regresso de Carlos Dinis ao comando técnico da Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Grandes focados no topo do Girabola

    Depois de verem gorados os seus intentos de chegarem a última etapa da Liga dos Campeões, mais concretamente nas meias-finais, pela fraca prestação conseguida na fase de grupos desta maior prova da Confederação Africana de Futebol (CAF), 1º de Agosto e Petro de Luanda estão agora focados no Girabola Zap.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Cartas dos Leitores

    Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla.

    Ler mais »

  • 15 de Fevereiro, 2020

    Problemas de sempre

    Em tempo de crise e em que se recomenda o aperto dos cintos, o nosso desporto vai-se revelando como um «parente pobre» do sector.

    Ler mais »

Ver todas »