Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Domnio angolano

20 de Dezembro, 2015
O pódio da XXX edição da Taça de África dos Clubes Campeões em seniores masculinos foi marcado por duas equipas angolanas presentes na competição, facto que afasta qualquer dúvida sobre o seu domínio na competição que a capital angolana albergou.

Ao longo da competição, o pavilhão multiusos do Kilamba registou, em algumas situações, altos índices de audiência, principalmente nas meias-finais e no dia da final da prova, o que constituiu uma boa propaganda para a modalidade.

A prestação do Libolo, Petro de Luanda e 1º de Agosto, e tendo em conta que serão os principais candidatos ao título no próximo Campeonato Nacional foi, por isso, uma pequena amostra do nível de competitividade teremos na prova maior da bola ao cesto da temporada que se apresta a começar.

Longe de um simples epíteto, apenas para compensar os muitos títulos que tem, o estatuto de segundo desporto no país em termos de audiência, só ficando atrás do futebol, é desde há muito um facto consumado para o basquetebol.

Os angolanos deram cartas numa prova que nem sempre teve os níveis de organização desejáveis, concretamente no cumprimento do calendários, e que a todos atingiu, o que de certa forma constituiu uma mancha numa organização que se pretendia competente.

O próprio Recreativo do Libolo, um dos representantes nacionais, também foi "abalroado" por este incumprimento, o que levou a que a sua equipa técnica tivesse que alterar, às vezes, em cima da hora, a sua programação, com todos inconvenientes daí decorrentes.

À exemplo do que aconteceu com a competição feminina, em que o título ficou, também, em nossa casa, a conquista do título por equipas nacionais alivia, de certo modo, a perda do título pelas respectivas selecções nacionais, registado nos últimos campeonatos africanos e, curiosamente, diante do mesmo adversário, a selecção da Nigéria.

As equipas angolanas mostraram que têm no seu seio jogadores de grande valia, e que podem ajudar, num futuro próximo, o país a reconquistar a hegemonia continental, com a subida, de novo, ao lugar mais alto do pódio, no campeonato africano.

De resto, um objectivo que urge concretizar. Angola é o país mais titulado do continente, é também o país com mais presenças em Jogos Olímpicos de Campeonatos do Mundo, e isso acarreta muitas responsabilidades ao "cinco" nacional.

A hegemonia mantida ao longo de todos estes anos foi, apenas, fruto do trabalho interno dos nossos clubes, da qualidade técnica dos nossos jogadores e treinadores, bem como também das muitas horas de treinamento das nossos selecções nacionais.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »