Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Drbi j aquece

14 de Outubro, 2016
Os números não mentem e diz o histórico que o 1º de Agosto tem sempre grandes dificuldades nos confrontos com o Kabuscorp do Palanca, daí a desvantagem que leva em relação ao seu adversário de domingo.

Nos últimos seis anos em que se defrontaram o conjunto militar ganhou apenas um jogo, somando sete derrotas e cinco empates. O último triunfo dos agostinos aconteceu há quatro anos, em 2012, na primeira volta, por 1-0, mas depois empataram (0-0).

Neste confronto no estádio 11 de Novembro, afinal o jogo grande da 27ª jornada do Girabola Zap, uma inversão do quadro da parte dos militares terá dois efeitos, ambos decisivos para as suas aspirações: primeiro, porque vai aumentar os níveis de confiança da formação militar, ao ultrapassar um adversário de peso, e segundo porque permite ao conjunto cimentar a sua condição de líder a duas jornadas do fim do campeonato, mantendo-se, deste modo, dependente de si mesmo para quebrar o jejum de título que leva no campeonato, para gáudio dos seus apoiantes.

O 1º de Agosto tem motivos para chegar confiante ao 11 de Novembro. A equipa pensa como campeão e tem conseguido desbravar o íngreme caminho que tem pela frente nesta derradeira fase da prova, animado, também, pela estrelinha da sorte que o tem acompanhado até ao momento, a mesma sorte que acompanha os audazes.

O Kabuscorp, neste confronto com os militares, só tem a ganhar prestígio, pois, em termos de objectivos a equipa já está arredada da luta pelo primeiro posto, após uma sequência sombria de resultados negativos, que culminou coma saída do então treinador, e com o novo timoneiro técnico a não conseguir colocar o conjunto, de novo, no lote de equipas com possibilidades de chegar ao topo no cerrar de cortinas da prova.

Continuar o ciclo vitorioso diante dos militares deve ser o objectivo da equipa do Palanca, daí que pensar que essa formação possa dar um "mãozinha" ao adversário pode constituir um insulto à idoneidade do conjunto palanquino.

O Girabola precisa de campeões com mérito, equipas que chegam ao fim da maratona futebolística cientes que os seus feitos e conquistas são apenas fruto do trabalho diário, árduo, debaixo de sol ou chuva.

De resto , o 1º de Agosto sabe que não deve facilitar nem no jogo de domingo nem nos subsequentes, dado que o Libolo e o Petro de Luanda estão à espera de um tropeço do líder para esquentarem ainda mais o campeonato, e tornarem a questão do título numa incógnita até ao final, e isso é um dos factores que torna esse 1º de Agosto-Kabuscorp ainda mais apetecível, uma partida com características para ser um verdadeiro embate de campeões.

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »