Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Drbi no fecho

04 de Novembro, 2016
Quis o destino que as duas maiores equipas do futebol nacional se encontrassem na jornada derradeira do Girabola Zap, depois de terem estado nas últimas jornadas num autêntico despique pelo título da prova, com o 1º de Agosto a levar melhor sobre o Petro de Luanda a uma ronda do desfecho do campeonato.

Apesar de ter ficado quebrado um pouquinho a grande expectativa sobre este duelo que se esperava fosse definir o campeão desta época do Girabola, Petro de Luanda e 1º de Agosto disputam ainda assim o jogo de maior cartaz da jornada, embora em termos de interesse talvez o jogo ASA - 4 de Abril desperte mais interesse em função do que está em causa.

Com as ambições viradas agora para a honra e o prestígio de cada uma, já que quanto ao título a questão ficou definitivamente arrumada na jornada passada, acredita-se que as duas equipas nem por isso se vão fazer rogadas para este "trumunu" de amanhã no estádio 11 de Novembro, onde se espera por boa casa, ou seja, pela comparência em peso do público para ajudarem a dar luz e cor ao espectáculo.

Já se disse aqui e noutros espaços deste jornal, em diversas ocasiões, que o Petro de Luanda - 1º de Agosto ou vice-versa tornou-se há muitos anos no maior dérbi/clássico do futebol nacional. Não importa o local onde este jogo seja disputado, é sinónimo de um bom espectáculo dentro e fora do rectângulo de jogo, não obstante terem havido ocasiões em que se deixou manchar a boa imagem do futebol nacional neste principal cardápio.

O dérbi/clássico do futebol nacional vai assim voltar a movimentar multidões e levar debates infindáveis não só dos adeptos das duas equipas mas de boa parte dos amantes do futebol nacional de uma maneira geral, como aliás é de costume sempre que estes dois emblemas estão em confronto.

Apenas pela honra e pelo prestígio de cada uma, podemos assistir amanhã a uma partida muito mais aberta, mais dinâmica, mais emotiva, menos táctica, com menos jogadas ensaiadas e todos aqueles pormenores que acabam por tornar o espectáculo menos vistoso e alegre. Embora para o Petro esteja ainda em causa o segundo lugar, pois o Recreativo do Libolo também espreita a mesma posição - ainda que não represente nada - espera-se que não se abdique de um jogo mais espontâneo a fim de valorizar o espectáculo.

Todos os que amanhã se deslocarem ao 11 de Novembro, o farão convictos de que vão presenciar o "tira-teimas" do futebol nacional, o confronto entre os dois maiores colossos e entre as melhores estrelas. Vão convencidos de que Ary Papel, Gelson, Bua Job, Tiago Azulão, Mateus e outros não vão poupar a sua arte de bem jogar para agradarem o público com um bom espectáculo.

Oxalá as equipas técnicas dêem liberdade aos jogadores para mostrarem tudo aquilo que sabem, claro está respeitando os princípios definidos por cada treinador. No fecho, o que se quer mesmo é espectáculo!

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »