Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Dvidas desfeitas

16 de Novembro, 2014
A decisão foi tomada depois de Marrocos ter confirmado a desistência de organizar a prova. Aliás, Marrocos queria o adiamento da prova devido aos riscos de contaminação do Ébola, mas a CAF não aceitou. “O Comité Executivo da CAF confirma que a Taça das Nações Africanas de 2015, vai ter lugar na Guiné Equatorial, nas datas previstas, de 17 de Janeiro a 8 de Fevereiro e em consequência, a selecção nacional da Guiné Equatorial está qualificada para a fase final do torneio, uma vez que representa o país anfitrião”, indicou a CAF em comunicado divulgado no seu site, depois de várias diligências junto dos filiados.

A Guiné Equatorial tinha sido desclassificada durante a fase de qualificação, por ter utilizado ilegalmente um jogador, ganha com a esta disponibilidade uma notoriedade no Continente e volta com todas as armas a albergar a maior prova continental a nível de selecções.

Quatro cidades foram seleccionadas para sediar a fase final do CAN2015, nomeadamente, Malabo, Bata, Mongomo e Ebebiyin. O sorteio vai realizar-se no próximo dia 3 de Dezembro, em Malabo, capital equato-guinense.

Face ao tempo, data de acerto e início da competição, estamos em crer que tanto a CAF como o governo liderado por Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, vão ter de correr contra o tempo para que tudo esteja em prontidão, no dia 17 de Janeiro, dia em que se abrem as hostilidades.

Como se previa, a desistência de Marrocos em albergar a competição continental, obviamente, que tem custos. Assim é que, o presidente da Confederação Africana de Futebol (CAF), o camaronês Issa Hayatou, defendeu na passada sexta-feira uma suspensão por quatro anos para a selecção de Marrocos. Durante esse espaço de tempo, os marroquinos vão estar afastados das provas continentais.

A organização do CAN'2015 foi atribuído a Marrocos, mas o receio de propagação do vírus Ébola, fez que o país pedisse um adiamento do torneio. A CAF, em resposta ao pedido de adiamento, retirou a organização a Marrocos e desclassificou-o da prova, com a alegação, de que isso ia retirar toda a credibilidade à CAF.

“As regras são claras,” contou Hayatou e lembrou que quando a Nigéria boicotou o CAN em 1996, depois do seu presidente impedir a selecção de ir à África do Sul, esta ficou suspensa durante quatro anos. “Não pode haver dois pesos e duas medidas”, admitiu.

Em termos meramente competitivos e sem contar com os jogos ontem disputados, a Tunísia foi a terceira selecção a garantir uma vaga, na fase final da prova, junta-se à selecção da Argélia, que integra o grupo B e de Cabo Verde, líder do grupo F, que já asseguraram um lugar há três semanas atrás.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »