Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Ebulio no Girabola

15 de Abril, 2017
O Girabola continua a dominar as atenções da praça futebolística nacional, sobretudo agora que toma recta para o desfecho do primeiro turno. A 10ª jornada que prossegue hoje, deixar-nos-á a apenas cinco do intervalo competitivo, e olhando para o gráfico classificativo das equipas, podemos depreender que nem tudo é um mar de rosas. Para o título, particularmente, augura-se ainda uma batalha campal pela frente.

No topo da tabela classificativa a luta é titânica. Claro está que o Kabuscorp do Palanca vai de vento em popa, com uma pontuação mais sólida e estável, mas enfrenta uma forte perseguição do 1º de Agosto e do Petro de Luanda. Aliás, esta última equipa acordou hoje na condição de líder, depois de ontem ter vencido a Académica do Lobito no seu próprio reduto em jogo que abriu esta jornada. É um líder à condição já que não vemos o Kabuscorp e o 1º de Agosto saírem ambos derrotados nos respectivos jogos, embora no futebol tal hipótese não deve ser descurado.

Mas, na luta para os primeiros lugares ou para o título estão outro gurus, que acreditam na superação dos pontos que dão vantagem às equipa do Palanca e do \"Rio Seco\". O Recreativo do Libolo é uma destas equipas, que em face dos compromissos internacionais não tem vindo a acompanhar devidamente a passada, estando ligeiramente atrasada em relação às outras, mas capaz de recuperar o terreno caso aproveite convenientemente os jogos que tem em atraso.

Em síntese, a prova está de tal forma interessante que poucos estão em condições de traçar um prognóstico certo sobre como poderá terminar a primeira volta, sobretudo no que se refira à liderança , porque quer o Kabuscorp do Palanca, quer o 1º de Agosto, Petro ou Libolo reúnem condições de terminar as primeiras 15 jornadas em primeiro lugar. E não temos a menor dúvida em acreditar que a luta seja esta.

É a luta pelos objectivos em jogo. As equipas , através das respectivas direcções fizeram promessas no início da prova e se esmeram para tentar honrar a palavra. Mas no caso do 1º de Agosto não se trata de nenhuma promessa, mas sim de uma obrigação. Pois nas vestes de campeão em título não se lhe pode exigir outra coisa. A sua massa de adeptos por exemplo, não espera por outra coisa que não seja a revalidação, devendo por isso calçar as luvas para atingir tal desiderato.

Para certas equipas as coisas não vão bem, anima-lhes o facto de a prova ter ainda muita estrada a percorrer e poderem dai recuperar e sair à conquista de posições classificativamente mais cómodas. Não tarda, o quadro de como as coisas poderão ficar no fundo da tabela começam a desenhar-se. Equipas há que sai jornada entra jornada não conseguem mostrar um sinal sequer da sua vitalidade competitiva, e das incómodas posições em que se acham não saem.

O Atlético Sport Aviação está nesta condição. Aliás, ao princípio da semana a direcção do clube havia decidido rescindir com o técnico João Machado, mas tendo prevalecido o bom senso o decano dos treinadores da nossa praça mereceu uma moratória. Claro está que a culpa não é dele, porque há três edições que a equipa vem escapando da despromoção.

Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »