Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Eleies na FAF

09 de Novembro, 2016
As eleições na Federação Angolana de Futebol (FAF) acontecem no dia 17 de Dezembro. Embora a um mês do pleito, é quase certo que sejam dois candidatos à corrida, ou seja, os que já deram a cara, José Luís Prata e Artur Almeida e Silva.

Quem for eleito, vai encontrar o futebol nacional num momento em que necessita de novas soluções para retirá-lo do marasmo em que se encontra, clamando por estratégias para alavancar Angola no resgate do prestígio que já teve no continente africano, com a prova maior, o CAN, em que já teve a oportunidade de marcar presença em sete ocasiões.

Durante a campanha eleitoral, os candidatos devem auscultar atentamente a família do futebol nacional, sobretudo, pessoas com grande experiência que possam dar imputes para a melhoria da modalidade.

É verdade também que não há muito a dizer, o que falta mesmo é implementar tudo o que durante anos já se discutiu e deliberou como as melhores políticas ou soluções para o rei -futebol no país.

Ainda no ano passado tivemos uma Conferência Nacional sobre o Futebol, e de lá saíram recomendações, que tal como em outras ocasiões estão engavetadas, tão somente por falta de vontade.

Daí que, para os candidatos não basta apresentarem projectos cheios de ideias, muito bonitos no papel, que depois não tenham pernas para andar, como soe dizer-se, ou seja, de difícil execução, que obriguem a sere remetidos de novo às gavetas para mofar, tudo porque a intenção é apenas fazer "show-off".

Entre nós, o futebol é a modalidade mais popular, é bom que os seus problemas sejam discutidos numa base alargada, num exercício de métodos mais eficazes para a execução de tudo quanto seja orientado para implementar, olhando para as directrizes que são, efectivamente, exequíveis.
É importante que os candidatos não andem pelo país e se sentem com as pessoas para dar a ideia de que há vontade de ouvi-las. Os conselhos, as sugestões e ou recomendações devem merecer o acolhimento para posterior materialização.

Pensamos que quem percebe bem de futebol e esteja atento ao que efectivamente enferma a nossa realidade, não deixe de olhar às questões como maior investimento nas camadas de iniciação, em todas as suas vertentes, a formação de técnicos e dirigentes, a melhoria da estrutura organizativa de gestão dos clubes, a melhoria de treinos, a possibilidade do Girabola evoluir para uma liga, melhorar a regulamentação e legislação das principais competições nacionais, entre outras, que directa ou indirectamente influenciem o próprio futebol.

José Luís Prata e Artur Almeida e Silva devem centrar as baterias nestas questões, porque no fundo é tudo isso que os encontros, as conferências, os debates sobre o futebol nacional sempre tiveram como as grandes recomendações.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »