Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Eleies na FAF

22 de Novembro, 2016
Os três candidatos à disputa da presidência da Federação Angolana de Futebol (FAF), nomeadamente, Artur Almeida, José Luís Pratas e Osvaldo Saturnino de Oliveira (Jesus), tiveram o dia de ontem, para completar os respectivos processos e as referidas listas. Os três homens do futebol lançam-se à corrida ao cadeirão da casa que rege a modalidade no país para o quadriénio 2017/2010.

A expectativa no seio da família da modalidade, é que o processo seja conduzido com transparência, para que do trio saia o homem certo, para conduzir os destinos do nosso futebol, que diga-se de passagem, carece realmente de um sopro de vitalidade em função daquilo que nos é dado ver no plano competitivo dos últimos tempos, sobretudo, a selecção nacional A.

Aliás, o que mais tranquiliza a família do futebol, é saber que Osvaldo Saturnino de Oliveira, José Luís Prata e Artur de Almeida, são nomes intrinsecamente ligados ao futebol nacional, que conhecem perfeitamente os cantos da Federação Angolana de Futebol, e que por via disso, podem fazer tudo e mais alguma coisa, para bem da modalidade.

Toda à expectativa, entretanto, não pressupõe que antes não houvesse acções vistosas. É importante reconhecer, que quer no consulado de Justino Fernandes, quer no de Pedro Neto, o futebol deu passos assinaláveis, apesar dos resultados no plano competitivo terem faltado. Não se diga taxativamente que não existiram logros, porque se não, o futebol tinha desaparecido.

É certo que as mudanças em política de gestão são sempre bem -vindas, e o que se pretende agora, mais não é senão, fazer uma mudança determinada pelo regulamento. Evidentemente ,que quem muda procura fazê-lo para melhor. E, é mais ou menos isso, que ocorre. Os amantes do futebol esperam por uma direcção mais dinâmica, que torne exequível os projectos da Federação nos próximos quatro anos.

Jesus, Prata ou Artur, um deles vai ter a incumbência de colocar o futebol no pedestal que merece estar, caso seja eleito. Isto aliás, não se pode cobrar, porque é do domínio dos candidatos. Inovar e revolucionar a modalidade é um pressuposto que consta no programa dos candidatos, embora, saibamos que haja quem o faça com convicção de executar e outro com mero propósito de embelezar o seu programa.

Esperamos que os candidatos estejam cientes das suas responsabilidades no caso de serem eleitos. Os angolanos estão exaustos de futebol estéril. Querem resultados que revigore o ego, que há muito anda cabisbaixo. Desejamos sorte aos contendores da peleja do próximo 17 de Dezembro.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »