Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Em busca de apuramento

23 de Março, 2017
A participação da Selecção Nacional de basquetebol, sénior masculina, no Campeonato Africano deste ano, vulgo Afrobasket, prova que a cidade congolesa de Brazzaville alberga em Agosto, começa a ganhar corpo quando o\"cinco\" nacional embarcar para Lusaka, em busca de apuramento.

A capital zambiana vai ser palco, a partir de sábado, da prova zonal, torneio que tem como intervenientes os conjuntos nacionais da Zâmbia, e da África do Sul, além de Angola, formações que têm objectivos que passam pela participação na maior cimeira de basquetebol do continente, este ano.Dos três países participantes, o conjunto angolano é o mais renomado, e habituado a essas andanças no basquetebol continental.

Angola, detém o maior número de campeonatos africanos conquistados, dez, é o país de África com maiores referências nas competições internacionais disputadas sob a égide da Federação Internacional e do Comité Olímpico Internacional, Campeonatos Mundiais, e Jogos Olímpicos.

Os angolanos perderam o título continental para a Nigéria, no último Afrobasket disputado na Tunísia, e a grande aposta consiste em subir ao primeiro lugar do pódio.

O potencial angolano é reconhecido por todos, e por isso, a Selecção Nacional deve ser o principal alvo a abater no zonal, como é costume ao longo dos anos, quando Angola participa em provas no continente.

O investimento angolano na bola ao cesto, deu frutos consubstanciados nos títulos conquistados nas duas classes, não são de modo algum obra do acaso, apenas consequência lógica do trabalho que internamente se desenvolve no país.

Zâmbia e África do Sul são formações sem tradição no continente. Ainda assim, todas as cautelas são necessárias para esse torneio zonal de Lusaka, para não acontecer surpresas desagradáveis.

Angola é o favorito na conquista da única vaga para Brazzaville, mas deve confirmar o favoritismo na quadra de jogos, e sem subestimar os restantes concorrentes.

Com maior ou menor dificuldade, Angola deve confirmar o apuramento no campeonato de Brazzaville, para depois, na maior cimeira africana, projectar o seu regresso à ribalta, com a reconquista do título africano.

O grupo liderado por Manuel Silva \"Gi\", técnico que vai orientar a selecção em Lusaka, é uma mescla de jogadores veteranos e atletas jovens que começaram a despontar e com um grande potencial, pelo que é de esperar a entrega necessária para encurtar o caminho, direccionado a mais um grande feito do basquetebol angolano.

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »