Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Em busca de subsdios

16 de Abril, 2015
Ainda que muitos coloquem reticências, aos resultados da Conferência Nacional sobre o Futebol, que se realiza em Junho, em Luanda, com vista a encontrar as melhores soluções para a saída da crise em que se encontra, é bom saber que os mentores da iniciativa mantêm as suas expectativas em alta.

Pelo que nos é dado ver, a agenda da Conferência Nacional só vai ser conhecida depois do período de auscultação, que está a ser levado a cabo pela comissão organizadora junto dos diferentes agentes do futebol, entre dirigentes, técnicos, jornalistas, árbitros e outros que têm sido ouvidos para veicular as suas contribuições.

Sem pretender transformar os debates prévios em maratonas populistas, somos favoráveis à ideia daqueles que defendem uma discussão alargada, ou seja, com a inclusão de outras sensibilidades, que com o seu saber e experiência podem transmitir subsídios válidos para o grande momento que vai suceder.

Entre nós o futebol é a modalidade mais popular, é normal que a discussão seja mais alargada, comparativamente às outras modalidades, cujo domínio das regras exigem um outro tipo de labor e conhecimento, que não está ao alcance de qualquer. Hoje, mais do que nunca, o fenómeno futebol aconselha a um exercício mais intenso de análise, ainda assim, é perfeitamente mais compreendido e vivido por larga maioria de pessoas.

É importante que esses encontros não sirvam para dar a ideia de que há vontade de ouvir as pessoas. As sugestões, os conselhos, e ou recomendações devem merecer o acolhimento dos organizadores, fazendo-os chegar àqueles que vão ter a responsabilidade de organizar a agenda de trabalhos que vai servir de base para a elaboração dos temas que vão ser abordados na Conferência Nacional.

Do que temos ouvido, a abordagem não deve fugir aquilo que são os problemas mais candentes que vive o nosso futebol, com destaque para a questão de um maior investimento nas camadas de formação, em todas as vertentes, a formação de técnicos e de dirigentes, a melhoria da estrutura organizativa de gestão dos clubes, a melhoria do treino, a possibilidade de o Girabola evoluir para uma liga, a regulamentação e legislação que atendam os interesses dos principais actores do futebol, entre outros, que directa ou indirectamente influenciem o próprio futebol.

Diante do cepticismo de uns e da expectativa de outros, encorajamos a comissão organizadora a prosseguir com os encontros preliminares, na procura de auscultação para a recolha de subsídios e contribuições para o enriquecimento do grande encontro de Junho, de que todos esperam resultados concretos para a salvação do futebol nacional.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »