Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Enfim o tetra...

20 de Maio, 2019
O 1º de Agosto arrebatou, pela quarta vez consecutiva, o troféu de campeão nacional da I Divisão, um feito até então só logrado, de forma ousada, pelo Petro de Luanda, que havia alcançado o penta campeonato, depois das conquistas sucessivas desta que é a maior prova do futebol no país em 1986, 1987, 1988, 1989 e 1990. Além de atingir o tetra, os militares do “Rio Seco” chegam, com efeito, ao 13º título do seu historial.
É verdade. Foi uma luta desenfreada, travada com o arqui-rival do “Eixo-Viário”, que não lhe deu tréguas nessa disputa, para a conquista título da 41ª edição desta prova, que nos últimos anos ganhou o cognome de Girabola Zap, arrastando, daí, a decisão do título até ontem, na ronda, que cerrou a cortinas da prova.
O D\'Agosto fecha, assim, o ciclo do Girabola Zap de 2018/2019 com 67 pontos, após vitória sobre o Kabuscorp do Palanca, que pode ser rebaixado para a II Divisão, devido ao badalado “caso Rivaldo”, contra 64 do rival Petro, que ontem não foi além de um empate a um tento com o Progresso do Sambizanga. Contudo, durante a disputa do campeonato, viu-se por um lado um conjunto tricolor bastante focado na luta pelo título e por outro os militares com força anímica e atitude exponencial de chegar ao tetra. Aliás, outra coisa não se podia esperar destes dois maiores papões do futebol nacional, não fossem os 15 troféus que o Petro soma na sua galeria, contra os treze que agora o 1º de Agosto atinge.
Contudo, além da árdua luta travada entre agostinos e petrolíferos, vimos também nas últimas jornadas outra acesa discussão em relação ao terceiro lugar, que dá acesso as Afrotaças. Kabuscorp, Clube Desportivo da Huíla (CDH) e Interclube foram os protagonistas desta disputa, mas os militares da Frente Sul acabam bafejados pela sorte fruto da vitória ontem de 2-0 sobre o Sagrada Esperança, no Ferrovia, no Lubango. Por outro lado, o diferendo que opõe o emblema palanquino ao ex-internacional brasileiro Rival pode inviabilizar a participação destes nas provas sob a égide da Confederação Africana de Futebol (CAF), ainda que o Desportivo vença a Taça de Angola. Os polícias que se quedaram na 5ª posição da tabela de classificação, nessa perspectiva, podem vir, também, a ser bafejados pela sorte, já que disputariam as Afrotaças por via do seu engajamento nesta segunda maior segunda maior prova do nosso futebol, em que jogam nas meias-finais curiosamente com o Desportivo.
De resto, salta ainda à vista, no fecho das contas do presente Girabola Zap, a queda (mais uma vez, sublinhe-se) do Atlético Sport Aviação (ASA), que não conseguiu fazer uma gestão dos jogos e evitar o descalabro. Agora fica, apenas por se confirmar a rebaixamento ou não do Kabuscorp ao escalão secundário, pois caso isso aconteça o Cuando Cubango FC, que terminou o campeonato na décima segunda posição, a “ex-aquo” com aviadores, com 26 pontos, pode ver a sua manutenção consolidada na “fina-flor” do futebol nacional, pela vantagem nos confrontos directos com este. E assim se consolida mais uma época da maior prova do futebol, com a consagração do 1º de Agosto, que faz ainda a festa do tetra. Enfim, uma conquista que não sofre contestação!!!...


Últimas Opinies

  • 19 de Março, 2020

    Escaldante Girabola

    O campeonato nacional de futebol da primeira divisão vai dobrando os últimos contornos. A presente edição, amputada face a desqualificação do 1º de Maio de Benguela, abeira-se do seu fim . Entretanto, do ponto de vista classificativo as coisas estão longe de se definirem. No topo, o 1º de Agosto e o Petro travam uma luta sem quartel pelo título.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Cartas dos leitores

    Estamos melhor do que nunca. A pressão é para as pessoas que não têm arroz e feijão para comer. Estamos sem pressão, temos todos bons salários e boas condições de trabalho. Estamos numa situação de privilégio e até ao último jogo tivemos apenas duas derrotas.

    Ler mais »

  • 17 de Março, 2020

    Jogos Olmpicos2020

    A suspensão de diferentes competições desportivas a nível mundial em função do coronavírus, já declarada pela OMS-Organização Mundial da Saúde como Pandemia, remete-nos, mais uma vez, a reflectir sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Pelo menos até aqui, o COI-Comité Olímpico Internacional mantém de pé a ideia de realizar o evento nos prazos previstos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    FAF aquece com eleies

    Cá entre nós, o fim do ciclo olímpico, tal com é consabido, obriga, por imperativos legais, por parte das Associações Desportivas, de um modo geral e global, a realização de pleitos eleitorais para a renovação de mandatos.

    Ler mais »

  • 14 de Março, 2020

    Cartas dos Leitores

    Acho que o Estado deve velar por essas infra-estruturas.

    Ler mais »

Ver todas »