Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Enfim o tetra...

20 de Maio, 2019
O 1º de Agosto arrebatou, pela quarta vez consecutiva, o troféu de campeão nacional da I Divisão, um feito até então só logrado, de forma ousada, pelo Petro de Luanda, que havia alcançado o penta campeonato, depois das conquistas sucessivas desta que é a maior prova do futebol no país em 1986, 1987, 1988, 1989 e 1990. Além de atingir o tetra, os militares do “Rio Seco” chegam, com efeito, ao 13º título do seu historial.
É verdade. Foi uma luta desenfreada, travada com o arqui-rival do “Eixo-Viário”, que não lhe deu tréguas nessa disputa, para a conquista título da 41ª edição desta prova, que nos últimos anos ganhou o cognome de Girabola Zap, arrastando, daí, a decisão do título até ontem, na ronda, que cerrou a cortinas da prova.
O D\'Agosto fecha, assim, o ciclo do Girabola Zap de 2018/2019 com 67 pontos, após vitória sobre o Kabuscorp do Palanca, que pode ser rebaixado para a II Divisão, devido ao badalado “caso Rivaldo”, contra 64 do rival Petro, que ontem não foi além de um empate a um tento com o Progresso do Sambizanga. Contudo, durante a disputa do campeonato, viu-se por um lado um conjunto tricolor bastante focado na luta pelo título e por outro os militares com força anímica e atitude exponencial de chegar ao tetra. Aliás, outra coisa não se podia esperar destes dois maiores papões do futebol nacional, não fossem os 15 troféus que o Petro soma na sua galeria, contra os treze que agora o 1º de Agosto atinge.
Contudo, além da árdua luta travada entre agostinos e petrolíferos, vimos também nas últimas jornadas outra acesa discussão em relação ao terceiro lugar, que dá acesso as Afrotaças. Kabuscorp, Clube Desportivo da Huíla (CDH) e Interclube foram os protagonistas desta disputa, mas os militares da Frente Sul acabam bafejados pela sorte fruto da vitória ontem de 2-0 sobre o Sagrada Esperança, no Ferrovia, no Lubango. Por outro lado, o diferendo que opõe o emblema palanquino ao ex-internacional brasileiro Rival pode inviabilizar a participação destes nas provas sob a égide da Confederação Africana de Futebol (CAF), ainda que o Desportivo vença a Taça de Angola. Os polícias que se quedaram na 5ª posição da tabela de classificação, nessa perspectiva, podem vir, também, a ser bafejados pela sorte, já que disputariam as Afrotaças por via do seu engajamento nesta segunda maior segunda maior prova do nosso futebol, em que jogam nas meias-finais curiosamente com o Desportivo.
De resto, salta ainda à vista, no fecho das contas do presente Girabola Zap, a queda (mais uma vez, sublinhe-se) do Atlético Sport Aviação (ASA), que não conseguiu fazer uma gestão dos jogos e evitar o descalabro. Agora fica, apenas por se confirmar a rebaixamento ou não do Kabuscorp ao escalão secundário, pois caso isso aconteça o Cuando Cubango FC, que terminou o campeonato na décima segunda posição, a “ex-aquo” com aviadores, com 26 pontos, pode ver a sua manutenção consolidada na “fina-flor” do futebol nacional, pela vantagem nos confrontos directos com este. E assim se consolida mais uma época da maior prova do futebol, com a consagração do 1º de Agosto, que faz ainda a festa do tetra. Enfim, uma conquista que não sofre contestação!!!...


Últimas Opinies

  • 21 de Setembro, 2019

    Craques que buscam afirmao alm-fronteiras

    É por demais sabido, que a história do futebol angolano regista o nome de ex-jogadores, que ajudaram a elevar o nome do país além-fronteiras.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Talentos angolanos ofuscados na dispora (?)

    Hoje, neste espaço assinado “A duas mãos”, concordamos escrever sobre um assunto de suma importância e que merece a nossa atenção, até porque, sem desprimor para outros, as questões sobre os futebolistas angolanos que actuam na diáspora, com particular destaque para os novos talentos que têm, nos últimos tempos, preenchido largos espaços na média desportiva e não só.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Cartas dos Leitores

    Os adversários são bons, os grupos são fortes e têm boas selecções.

    Ler mais »

  • 21 de Setembro, 2019

    Crise petrolfera

    Há maus ventos no Petro Atlético de Luanda

    Ler mais »

  • 19 de Setembro, 2019

    Futebol nacional deve ser revolucionado? (II)

    A semana precedente fechei o texto com o seguinte argumento: “A meu ver, já não se pode gastar dinheiro em vão com o futebol.

    Ler mais »

Ver todas »