Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Equilbrio total

25 de Janeiro, 2017
Hoje, quando se disputar em simultâneo os jogos referentes à terceira jornada da primeira fase do Campeonato Africano das Nações que decorre no Gabão, deve estar terminada uma fase do torneio marcada por um equilíbrio total, em que os intervenientes dos grupos estão a bater-se com arrojo e determinação, pelos lugares de qualificação à fase seguinte.

Na verdade, desde a primeira jornada ficou evidente a disputa que as selecções tinham de encontrar, para lograr a qualificação para os quartos -de -final. O excesso de empates que se verificaram nos jogos iniciais, falavam por si. E, assim, acabou por ser. Muitas equipas que à partida eram apontadas como favoritas aos quartos -de -final, foram de regresso à casa, quando muito menos se esperava.

Aliás, a maior surpresa foi a desqualificação da própria selecção anfitriã, na primeira fase, situação que há muitas edições não se verificava. O Gabão, de Aubameyang, consentiu três empates nos três jogos referentes à fase de grupos, e acabou irremediavelmente fora da competição. É uma situação constrangedora, mas com a qual tem de saber lidar.

À partida, sabe-se o que acontece quando a selecção caseira fica fora do torneio, logo de início. Há a quebra do entusiasmo local. O público caseiro limita a presença aos Estádios, salvo em jogos que envolvam selecções de grande gabarito, na praça futebolística africana. Como se não bastasse, a retirada dos anfitriões teve influência negativa no rendimento do próprio campeonato, em termos de receitas.

Mas o que se pretende realçar aqui, é a evolução que o futebol conheceu nos últimos anos, em alguns países do continente. Hoje, nota-se um maior equilíbrio entre as selecções dos países que se situam abaixo do Sahara, e os do Magreb, basta olhar para o quadro das selecções que se apuraram para os quartos -de -final, desta 31ª edição do Campeonato Africano das Nações.

A equipa do Burkina Faso, por exemplo, está transformada numa agradável surpresa. A equipa cresce consideravelmente nos últimos anos. Não foi sem razão, que vimo-la há quatro anos a disputar a final da prova diante da Nigéria, quando o campeonato teve lugar na África do Sul, em 2013. Perdeu a final, mas deixou indicadores seguros de uma selecção, que estava a projectar-se para voos mais altos.

Quando hoje se disputar os jogos do Grupo D, está-se em condições de fazer um juízo de valor mais exacto, sobre o que reserva para os quartos -de -final. Pelo menos, há a garantia de se assistir a jogos épicos, disputados até ao limite, na chamada fase de mata -mata, em que os empates acabam por não ter serventia.

Por aqui, pode avaliar-se o grau de preguiça que vai pelo nosso futebol, que faz um percurso inverso ao das outras selecções. Vai escapando a sensação de que hoje já não se acham selecções acessíveis, factor que compromete ainda mais as nossas esperanças, se atendermos ao processo regressivo dos Palancas Negras. Enfim, seria uma injustiça sem tamanho aferir que o CAN está insípido e insosso.

Últimas Opinies

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    A eliminao do Petro e o tal patriotismo

    Terminada a participação Petro de Luanda, na Taça Nelson Mandela, é normal que por esta altura, esteja a ser feita uma profunda reflexão em torno da participação na referida competição africana, nos mais diversos aspectos que ela comporta, sem descorar, portanto, a (des) continuidade do técnico Beto Bianchi, que mais uma vez não conseguiu o troféu de uma competição em que esteve envolvido. 

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Palancas Negras de olhos no Egipto

    A Selecção Nacional de futebol honras, vulgo Palancas Negras, só depende de si para chegar à fase final do Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2019, que vai ser disputado no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Procuramos fazer tudo para vencer o jogo, mas não conseguimos, porque o adversário  (Recreativo do Libolo) foi competente e inteligente, assim como conseguiu aproveitar as nossas falhas defensivas e, em lances de bolas paradas, marcaram os dois golos.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Zebras para domar...

    A Selecção Nacional de futebol de honras, às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, decide amanhã, em Franciston, Botswana, a qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN), que o Egipto acolhe de 19 de Junho a 21 de Julho deste ano.

    Ler mais »

Ver todas »