Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Equipas ao trabalho

28 de Janeiro, 2014
Os dias que correm estão a ser intensamente marcados pelo processo preparatório das equipas, visando a época futebolística que se avizinha. África do Sul, Portugal e Brasil, mereceram a preferência de algumas equipas que optaram em fazer a sua preparação fora de portas. Outras, cujos cofres têm pouco, trabalham aqui mesmo no país. Mas todas prometem uma época melhor do ponto de vista competitivo. Pois, para além do trabalho de campo também trataram de reforçar os respectivos planteis. O objectivo é sempre procurar superar as posições classificativas da edição passada, a excepção das três provenientes da segunda divisão.

Tudo indica que teremos um campeonato do ponto de vista competitivo melhor que o passado, sobretudo agora que o número de campeões conheceu crescimento. Já são muitas no nosso campeonato as equipas que ao longo do percurso da prova já conquistaram o título. E estas, em regra, quando entram para a disputa fazem-no sempre com o propósito de coleccionar mais um título. É esta particularidade que nos leva a crer que teremos um campeonato no verdadeiro sentido da palavra, capaz de prender as atenções do público assistente do principio ao fim.

O investimento que as equipas fazem não leva senão a esta conclusão. Advinha-se luta séria pelos lugares cimeiros. Como sempre haverá a tal divisão por três. Ou seja, um grupo restrito de equipas vai disputar o titulo, porque sempre foram crónicos candidatos, outro de equipas que definem como meta a melhoria das classificações anteriores e outras ainda para quem a meta é apenas a manutenção no campeonato.

Para lá deste particular, e sem ser repetitivos, notamos que este é o ano em que os clubes mais investiram na preparação da época, a maioria com estágios no estrangeiro, não obstante a famigerada crise económica que vai causando elevados estragos aos cofres e bolsos de todos. Se é verdade que quem investe espera alguma compensação, então, é um dado adquirido que o Girabola 2014 promete emoções a rodos. Em relação ao título, espera-se que haja um número de candidatos superior ao dos anos anteriores.

Desde já, o Kabuscorp, na condição de campeão em título, não terá outro objectivo que não seja a revalidação, podendo-se dizer o mesmo das outras equipas que não importa aqui citar. Por sua vez, o 1º de Agosto, que viu o campeonato passado escapar entre os dedos, espera acertar este ano, o mesmo prometendo o Petro de Luanda, Interclube e Recreativo do Libolo.

Feitas as contas e tiradas as respectivas provas dos noves, estamos em condições de dizer que no próximo Girabola a luta pelo título promete ser dura. Que venha dai a Supertaça para as primeiras ilações daquilo que competitivamente podemos esperar do campeonato, ainda que a intervenção de apenas duas equipas, não seja assim tão expressiva. Vamos aguardar...

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »