Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Escolhas certas

08 de Abril, 2016
A Federação Angolana de Andebol definiu o rumo das selecções nacionais com a indicação dos responsáveis das respectivas comissões técnicas, e cujas escolhas recaíram para os treinadores nacionais.

Num período conturbado, devido à crise financeira que o país atravessa, e que exige dos gestores dos vários organismos uma grande ginástica na gestão dos poucos recursos financeiros que têm ao seu dispor, o elenco e Pedro Godinho mostrou lucidez na escolha dos treinadores que têm como missão manter ou mesmo elevar os níveis actuais das selecções que doravante vão orientar.

O maior desafio para o andebol nacional é a participação da selecção feminina nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em Agosto próximo, e ao técnico Filipe Cruz cabe a missão de orientar o "sete" nacional.

Angola já tem tradição nos torneios olímpicos como digno representante do continente africano. Nos Jogos do Rio, o país participa não como campeão continental, mas na qualidade de vice-campeão, mas os seus objectivos continuam os mesmos de sempre, ou seja, honrar o continente com uma participação que, de facto, vá de encontro ao nível que o andebol angolano já atingiu. Nos Jogos de Londres, em 2012, o "sete" nacional atingiu o oitavo lugar, e a ideia é manter ou mesmo superar essa posição nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

A difícil situação financeira do país poderá em certa medida limitar a preparação da equipa nacional, uma vez que o programa contemplava o arranque dos trabalhos em Março passado, conforme referiu o presidente da federação, mas as ambições do conjunto nacional vão continuar a ser certamente as mesmas, aproveitando, até todas as oportunidades que surgirem que permitam a rodagem das potenciais integrantes da selecção para os Jogos Olímpicos.

E uma das formas, será a eventual participação do 1º de Agosto na taça das Taças Africanas, dado que o conjunto militar é a equipa que mais atletas fornece à selecção nacional, e essa participação na competição africana seria uma forma de preparação, também, para a maior cimeira desportiva mundial, este ano, no Brasil. Substituto de João Florêncio no combinado nacional, Filipe Cruz tem, ainda, como grande desafio, o resgate do título continental perdido para a Tunísia no último campeonato africano. A Selecção Nacional feminina vai de cabeça erguida para os próximos compromissos. A escolha da nova equipa técnica nacional permite augurar uma participação honrosa no Rio de Janeiro e a recuperação do título continental perdido, para que a hegemonia em África se mantenha.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »