Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Escolher os mais fracos

04 de Janeiro, 2017
O ciclo olímpico encerrou, algumas Federações não realizaram os pleitos eleitorais, contrariaram o que estava determinado. Cada uma com sua justificação, umas mais aceitáveis do que outras, o certo é que nem todas as Federações realizaram as eleições.

O procedimento normal era tratar todas as Federações nos mesmos termos. O certo é que a Direcção Nacional dos Desportos escolheu as Federações de menor expressão, e criou sem mais nem menos uma comissão de gestão, para gerir os destino dessas Associações, como a de Ténis, por exemplo. A questão que se coloca é porque razão a Direcção Nacional dos Desportos não tratou da mesma maneira a Federação Angolana de Basquetebol que mergulhou numa crise, por conta própria.

Se a Federação de Andebol esteve engajada na organização do Campeonato Africano, por isso, excluída do leque das que não realizaram as eleições, porém, todas as outras devem ser tratadas nos mesmos termos, se é que a Direcção Nacional dos Desportos faz questão de impor comissão de gestão, às federações.

Por outro lado, se a Federação de Andebol realiza eleições fora de prazo, assim como a Federação de Basquetebol, porque razão a Direcção Nacional dos Desportos não estabeleceu um prazo a partir do qual todas as Federações estavam obrigadas a cumprir? Se não procedeu desse modo, de onde vem, então, a autoridade "moral" para tratar de maneira diferenciada uns e outros!

Sem qualquer procuração para advogar esse ou daquele, apenas no estrito cumprimento da missão de questionar, qual seria o prejuízo para a Direcção Nacional dos Desportos, se desse um ultimato as Federações para realizarem as eleições? Se a intenção é apenas fazer cumprir a lei, por que escolher então as Federações tidas de menos peso, se a preocupação assenta precisamente nas Federações de maior peso, no desporto nacional.

Salvo melhor juízo, a intervenção da Direcção Nacional dos Desportos é desnecessária, e fere o princípio da autonomia, consagrado no artigo 29, da Lei do Desporto. A intromissão pode até considerar-se uma discriminação, visa apenas alguns quando todos se encontram na mesma situação. A Direcção Nacional deve respeitar o princípio da igualdade, e dar o mesmo tratamento a todos.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »