Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Espanha no caminho

13 de Dezembro, 2013
Esquecido o jogo contra a Noruega, as campeãs africanas defrontam hoje a Espanha, no campeonato do mundo de andebol que decorre na Sérvia, com o mesmo espírito de conquista. Mas espera-se que seja com outra entrega, com outro desempenho, com um resultado melhor. Diz-se que não há dois jogos iguais. E sendo assim, é nossa convicção que o jogo de hoje nada tem a ver com o anterior. Mas que a diferença seja no sentido positivo.

Aliás, a ser o contrário, não se imagina o desgaste psicológico que a situação pode vir a causar ao grupo de trabalho. O que se espera da selecção no jogo de hoje não é senão uma atitude diferente e uma maior ousadia em campo. No jogo com a Noruega a Selecção Nacional descurou todos estes aspectos. E ainda por cima diante de uma equipa que é só a actual campeã, e com todo o potencial para revalidá-lo.

É esta inibição que não deve voltar a estar presente. É preciso que a equipa comece a ultrapassar o complexo que a inibe quando perante adversários grandes. Em desporto a inibição facilita o jogo inimigo. Dir-se-ia que é uma arma que joga contra nós mesmos. Se superaram este aspecto, temos em campo uma equipa ousada e capaz de encarar com normalidade o adversário.

Independentemente disso, é importante que a equipa acerte nas suas acções em campo, saiba causar incómodos ao último reduto contrário e, juntando o útil ao agradável, saiba também neutralizar as investidas contrárias.

O argumento defensivo deve ser funcional. Afinal uma equipa só se diz coesa e aguerrida quando revela eficácia na actuação dos seus variados sectores.

Não se é eficaz com uma defesa segura e um ataque perdulário, de igual forma que não se é eficaz com um ataque concretizador e uma defesa vulnerável.A equipa técnica tem mais uma oportunidade de avaliar a rentabilidade do grupo, descobrir as suas virtudes e defeitos, para na sequência deste reparo ir fazendo as correcções necessárias para conseguir os níveis de entrosamento que se pretendem e consequentemente os resultados que levem a bom porto.

É consabido que, para muitos, são os resultados que reflectem o estado da equipa, embora existam casos em que se perde jogando bem ou se ganha sem convencer. Todos ficamos gratificados se a equipa arrancar hoje uma boa exibição e um nível de jogo que reflicta evolução.

Últimas Opinies

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Petro escorregou Vasiljevic j era

    O grande Petro já  atemoriza os seus adeptos em poder continuar a fazer travessia no deserto neste seu “hibernar” sem título desde 2009: empatou mesmo depois de o presidente.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Cartas dos Leitores

    Penso, que não há  muitas alterações  em relação aos candidatos, o 1º de Agosto procura o Penta e o Petro luta para quebrar o jejum de 10 anos, sem conquistar o campeonato.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Girabola de todos

    Soltaram-se assobios, no último fim-de-semana. Voltou aos palcos nacionais, o futebol de primeira grandeza. Ou seja, o campeonato nacional da primeira divisão, o nosso Girabola.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O segundo pecado da FAF

    A direcção de Artur Almeida e Silva acaba de cometer o segundo pecado, na gestão dos destinos da Federação Angolana de Futebol(FAF). O primeiro, assenta na desorganização que já a caracteriza.

    Ler mais »

Ver todas »