Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Estgios caseiros

20 de Janeiro, 2016
A crise financeira que atinge o país, obriga a uma mudança de mentalidade, também no desporto.A contenção de gastos deixou de ser uma expressão supérflua, para tornar-se em algo real, com que temos de conviver todos os dias. O desporto viu as suas verbas reduzidas, que se reflecte na delegação que vai estar presente nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.Os clubes aprendem a planificar e a empregar da melhor forma o dinheiro que têm nos cofres, cujos números estão muito longe dos dias de abundância que o país já viveu, com reflexos naturais na preparação para os desafios que têm nas diferentes disciplinas desportivas.

O cenário de hoje é diferente do passado. Em tempos recentes, por esta altura, assistia-se a uma correria de equipas para o exterior do país em estágios pré -competitivos para as provas em que estariam envolvidos, com o argumento que ficava mais barata fazer estágios fora do país do que nas nossas províncias. Algumas delas, como a Huíla e Benguela, por exemplo, mesmo com excelentes condições hoteleiras e com bom clima, eram preteridas em favor de cidades da Namíbia, África do Sul e mesmo Moçambique.

Nos dias que correm, vemos, prazerosamente, algumas formações a optarem por estágios caseiros. Lubango, Benguela e Luena surgem como o pouso seguro para equipas que preparam o Girabola e outras provas na nova época.O Petro de Luanda, que volta a assumir a candidatura ao título, escolheu o Lubango como seu "quartel-general" nesta fase, o mesmo acontece com o ASA, enquanto o Kabuscorp do Palanca e o Recreativo da Caála escolheram as "acácias -rubras" para a pré-época. Já o Interclube preferiu uma preparação no Leste do país, concretamente na cidade do Luena.

Escolhas que reflectem, seguramente, mudanças de atitude dos gestores destes e de outros clubes, já que nesses locais pelo menos jogos de controle não faltam, com a possibilidade, inclusive, de organizarem torneios quadrangulares.Com a opção das nossas equipas de futebol, a rede hoteleira é chamada a novas responsabilidades com a melhoria dos seus serviços, longe da apetência pelo facturamento fácil e imediato.

De resto, com os dias a correrem céleres para o arranque da nova época do futebol doméstico, a expectativa é que o cenário não mude muito até lá, até porque é crível que clubes como o 1º de Maio de Benguela e a Académica do Lobito sem muito dinheiro, não vão meter-se na aventura de estagiar fora do país, para não descerem de divisão, o mesmo acontece com o Porcelana do Cuanza Norte e 4 de Abril do Cuando Cubango, que têm os pés bem assentes no chão, sabem que cada cêntimo do magro orçamento deve se aproveitado ao máximo, dentro de uma preparação caseira.

Últimas Opinies

  • 23 de Março, 2019

    Agora que venha o CAN do Egipto!

    Que venha agora o CAN do Egipto! Sim, que  venha o Campeonato Africano das Nações porque a fase de qualificação ficou já para atrás. 

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Cartas dos Leitores

    Estou aqui para trabalhar. É uma realidade nova para mim. Nunca estive em África.

    Ler mais »

  • 23 de Março, 2019

    Angola est no Egipto

    O país acordou, hoje, na ressaca da explosão festiva resultante da qualificação da selecção nacional de futebol, ao Campeonato Africano das Nações, a disputar-se em Junho e Julho, no Egipto.

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Amanh um "tudo ou nada

    Amanhã é uma espécie de Dia D, para nós, e tal fica a dever-se aos ‘’Palancas Negras’’

    Ler mais »

  • 21 de Março, 2019

    Um regresso depois de quase dez anos

    Volvidos quase dez anos, volto a assumir uma missão como enviado especial do Jornal dos Desportos, título para o qual escrevo desde o ano de 1997, e que nesse momento assumo o cargo de editor, depois de já ter sido sub-editor e correspondente provincial.

    Ler mais »

Ver todas »