Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Estgios de pr-temporada

22 de Janeiro, 2014
A confiança é um capital de grande importância no futebol. Isto para nos congratularmos com as palavras de Alves Simões que, antes mesmo da sua equipa partir para o estágio na África do Sul, tirou todas as dúvidas do porquê de ter optado pela cidade sul-africana de Joanesburgo para a estágio de pré-temporada.

Embora tenha como principal patrocinador a Polícia Nacional, a equipa do Rocha Pinto não nada em dinheiro. Sendo assim há que saber gerir os parcos recursos que lhe são alocados. Foi a pensar em tudo isto que Alves Simões optou pela África do Sul em detrimento da Europa ou o Brasil, como fizeram grande parte das equipas angolanas que preparam a temporada no exterior.

A África do Sul possui condições de alojamento invejáveis, superando mesmo a de alguns países europeus. A nível do Continente, e não só, deve ser o país com mais campos relvados.

A adicionar a tudo isso, no caso concreto das equipas angolanas, estão os custos da viagem. 500-600 dólares é quanto custa um bilhete para Joanesburgo, classe económica, quantia que contrasta com uma viagem para a Europa ou o Brasil.

Não estamos a criticar quem está a fazer o seu pré-estágio na Europa ou na América do Sul. São opções e temos de respeitar. O próprio Interclube nos anos anteriores realizou os seus estágios de pré-temporada na Europa. Este ano não o fez talvez porque só agora descobriu as suas desvantagens.

Mas é bem verdade que há muitas vantagens em escolher a África do Sul para os estágios de pré-temporada. As condições aí existentes em nada ficam a dever às que encontramos na Europa ou no Brasil. Por outro lado, há também maiores probabilidades de se agendarem jogos de controlo. As equipas do principal escalão sul-africano estão sempre disponíveis, desde que contactadas antecipadamente.

Como referimos, as equipas são livres de escolher os seus locais para estágio. Está tudo dependente da situação financeira de cada uma. Contudo, não podemos aceitar que equipas que passaram todo o ano a reclamar dinheiros e que têm dividas com os seus jogadores optem por realizar estágios no exterior. É uma aberração.

Se neste começo de temporada conseguiram alguns patrocínios, era mais coerente que realizassem a pré-temporada no país e guardassem estes parcos recursos para saldarem contas antigas. Não apenas para com os jogadores e equipa técnica mas também aos seus fornecedores.

Um caso concreto é o que se passa com o ASA, uma equipa que na temporada passada viveu sérios problemas de tesouraria devido aos problemas internos com que se debateu e ainda debate, porque o contencioso directivo continua no tribunal.

Há os mais e os menos abastados. Cada equipa sabe com que linhas se cose. Mas a opção feita pela direcção do Interclube ajusta-se à actual realidade económica mundial.

Últimas Opinies

  • 22 de Agosto, 2019

    O divrcio anunciado

    Não faz ainda muito tempo do anúncio do divórcio, entre o órgão reitor do futebol nacional e o então seleccionador nacional de honras, o sérvio Srdjan Vasiljevic, que ontem deixou o país.

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Corrigir o mal no futebol (I)

    A semana passada terminei o artigo com a seguinte sentença: “(…) é importante mudar de estratégia

    Ler mais »

  • 22 de Agosto, 2019

    Mais um falso arranque do Interclube

    Para o desalento dos prosélitos do futebol sénior masculino, as cortinas do Girabola Zap, versão 2019/20, foram descerradas com máculas na jornada inaugural que, mais uma vez, põem em causa a capacidade organizativa da Federação Angolana de Futebol (FAF), que parece apostada numa competição em que é premiada a instituição que mais erros comete ao longo do “consulado”.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    O pas dos amigalhaos

    Foi recentemente anunciada a rescisão contratual do treinador Srdjan Vasilevic com a Federação Angolana de Futebol.

    Ler mais »

  • 19 de Agosto, 2019

    Como causar impacto atravs do marketing?

    De facto, para que se crie um impacto forte e eficaz através do marketing desportivo, é indispensável que os clubes e federações deem atenção ao formato comunicativo a ser utilizado.

    Ler mais »

Ver todas »