Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

Etapa derradeira

09 de Julho, 2016
Estão as 16 equipas do Girabola Zap estão perfiladas para o soar do "gong", que anuncia o reinício das hostilidades, na competição, fase que dita o vencedor do campeonato e as equipas que por demérito em campo, descem de divisão.

A segunda fase do campeonato antevê-se desde já renhida, també envolta em eventuais casos que podem ter como base a falta de dinheiro, que assola alguma equipas em prova.

No ar paira a incerteza acerca do futuro do Porcelana do Cuanza Sul, facto que ainda não é um dado adquirido, se equipa pode vir a ter capacidade financeira para suportar as próximas 15 jornadas que se avizinham, ou se confirma a desistência, depois da intenção manifestada no final da primeira volta.

Com uma primeira volta fértil em "chicotadas", com uma mão cheia de despedimento de treinadores, o espectro do "chicote" paira, pode ser a saída que alguns clubes decerto encontram para os maus resultados, como de resto aconteceu.

Os treinadores são os sacrificados quando os resultados não aparecem, mas nem sempre o despedimento tem o efeito desejado, em muitos casos a descida de divisão acaba por acontecer, muito por culpa dos próprios clubes.

Da forma como as equipas estão repartidas, na tabela de classificação, não custa discernir três campeonatos fundidos num, um reservado às equipas que lutam pelo título, com os tradicionais concorrentes, outro, em que três ou quatro formações esperam por uma prova sem complicações, após assegurarem o número de pontos necessários para a manutenção, e um terceiro, reservado estritamente às equipas em risco de despromoção.

Nesta segunda volta da prova, espera-se que os "casos" de arbitragem que têm marcado o futebol nacional, não façam presença. O Petro de Luanda e o 1ºde Agosto, para citar estes", foram as formações que apontaram o dedo aos árbitros, e com razão, porque em certas partidas, acabaram por ser prejudicados pela dualidade de critérios empregue por determinados juízes, que redundaram em grandes prejuízos aos dois emblemas.

O campeonato reata com o dérbi entre militares e encarnados, a prender as atenções gerais, até porque o líder da competição e grande candidato a campeão, entra em cena com vontade de manter-se na senda de bons resultados, com um certo desejo de desforra à mistura, ou não fosse o seu adversário de hoje o mesmo, que impediu que fizesse uma dobradinha, na eventualidade de ser campeão do Girabola Zap, ao afastá-lo da Taça de Angola.

Últimas Opinies

  • 15 de Julho, 2019

    O real papel do gestor desportivo

    As funções de um gestor desportivo não são mais do que as funções de um gestor de empresas, adaptadas e ajustadas às particularidades de um clube ou federação desportiva.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Quem explica o desporto angolano?

    O nosso desporto merece um estudo profundo, para se encontrar explicações que justifiquem os resultados que vai tendo.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    No nosso grupo (A),  somos a única selecção (Angola) que tem a sua primeira participação  a este nível. Canadá vai para a sua sétima, Nova Zelândia.

    Ler mais »

  • 15 de Julho, 2019

    Objectivo falhado

    Angola não conseguiu alcançar o objectivo preconizado no Mundial de Hóquei em Patins, que se disputou em Barcelona, Espanha, acabando por se quedar na sexta posição.

    Ler mais »

  • 13 de Julho, 2019

    Cartas dos Leitores

    Vamos entrar para o campeonato em cada jogo para ganhar, nós queremos começar bem, com o pé direito. Como sabem, já temos o calendário.

    Ler mais »

Ver todas »