Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa

Opinio

FAB dissipa incertezas

30 de Maio, 2017
A incerteza em torno do seleccionador nacional de basquetebol sénior masculino, que se arrastava por muito tempo, chegou ao fim.

O novo elenco da Federação Angolana de Basquetebol, liderado por Hélder Cruz “Maneda”, cumpriu com o que tinha prometido aquando da campanha eleitoral que o guindou para o cadeirão máximo do organismo, e confirmou um treinador angolano para orientar o “cinco” nacional que vai disputar o campeonato africano, em que o objectivo do país é resgatar o título perdido para a Nigéria, no último “Africano”.

Manuel Silva “Gi” é o treinador escolhido pelo órgão reitor, e ontem foi indicado. Uma confirmação consensual, que acaba por ser a continuidade do trabalho da equipa técnica liderada pelo treinador que na Zâmbia conseguiu levar Angola a marcar presença na prova, que deve acontecer em meados de Setembro.

No torneio zonal, a Selecção Nacional mostrou classe e mostrou poderio nos confrontos com os anfitriões e com a África do Sul, somou apenas triunfos nos jogos que disputou.

Manter o treinador e a equipa técnica no comando da selecção, é um gesto de justiça da parte do órgão reitor, porquanto, todo o trabalho quando bem feito e com resultados positivos, deve merecer o devido reconhecimento.

Na altura, aquando da indicação para dirigir o conjunto nacional, interinamente, o treinador e a equipa fizeram-no num período, que à partida parecia conter algum risco, dado o pouco tempo que tiveram para preparar a selecção, ainda assim, assumiram a solicitação feita pela Federação, para qualificar o país ao Campeonato Africano.

É preciso acreditar na qualidade dos nossos treinadores e no que podem fazer. Alguns dos melhores momentos vividos da bola ao cesto do país, tiveram como protagonistas alguns dos melhores técnicos angolanos, que muitas vezes em situações difíceis levaram o país a grandes conquistas e feitos, deram imensas alegrias aos amantes do basquetebol e não só.

A caminhada para a reconquista do título continental não vai ser fácil, a indicação do novo seleccionador é um primeiro passo para se alcançar o desiderato, porque acreditamos que dentro do novo modelo de gestão, o elenco que dirige os destinos do basquetebol no país saiba encontrar alternativas para dar ao conjunto as melhores condições que garantam uma preparação séria e cuidada.

De resto, como trabalho de continuidade, é de se aplaudir a escolha da FAB, embora, possam surgir opiniões contrárias à decisão, e com os habituais detractores prontos a contestar, como sempre, quando se trata de dar valor ao que é nosso.

As incertezas estão dissipadas, agora, é hora de trabalhar.

Últimas Opinies

  • 13 de Dezembro, 2018

    CAF e a pedra no sapato

    Em 1996 o Quénia renunciou à organização do Campeonato Africano das Nações, por alegada falta de condições ideais para o efeito. Sendo assim, a África do Sul, que se preparava para acolher a edição de 1998, assumiu o desafio, e, acto ,contínuo,  o Burkina Faso, candidato à edição de 2000, teve de acelerar as obras para receber a prova de 1998.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Citaes

    O Caála foi um digno rival, fechou-se bem, mas o Petro trabalhou para ganhar. Esperamos ter  uma equipa cada vez melhor, porque nesta fase da prova os jogadores já estão mais soltos e os números de golos falam por si

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    O exemplo da Hula

    Há muito, que os clubes provincianos que militam no campeonato nacional de futebol da primeira divisão, divergem dos governos locais,  no que toca ao apoio ainda que mínimo às suas acções. Os governos, por sua vez, sempre alegaram que as verbas que   são cabimentadas não prevêem apoio aos seus clubes.

    Ler mais »

  • 13 de Dezembro, 2018

    Pblico empurra cinco nacional ao Mundial da China

    A Selecção Nacional de Angola de Basquetebol vai fazer a oitava presença na mais alta roda do basquetebol Mundial, que a República Popular da China vai  organizar em 2019. Mais uma vez, o público angolano foi determinante para a qualificação.

    Ler mais »

  • 10 de Dezembro, 2018

    A "vara mgica" de Artur Almeida

    Sem terceira intenção, até porque ainda está por aquecer o seu cadeirão, faço o novo reparo a Artur Almeida. Vai para o facto de este nosso novo "governante" do nosso futebol, ter dito, há tempos, que não tem soluções mágicas para a modalidade. Será já uma antecipada e primeira desculpa aos desafios com que vai deparar-se no seu mandato?

    Ler mais »

Ver todas »